Lusodescendente apontado como um dos carrascos do Estado Islâmico

Jornal francês identifica Abou Uthman, que aparece no vídeo da decapitação de Peter Kassig, como "francês de origem portuguesa".

O jornal francês o France Soir identifica um dos homens que aparece no vídeo da decapitação de Peter Kassig como "francês de origem portuguesa". Abou Uthman, cujo único nome conhecido é Dos Santos, estará entre os 17 jihadistas do Estado Islâmico que mataram 16 soldados sírios e Peter Kassig, o norte-americano de 26 anos que era refém da organização terrorista.

Nas imagens do vídeo divulgado no passado domingo, Abou Uthman, nome árabe que o lusodescendente adotou, surge ao lado de Jihadi John, o carrasco inglês que decapita Peter Kassig. De barba comprida, cara destapada e barrete preto, Uthman decapita um soldado com uma faca, tal como os restantes jihadistas que se alinham ao seu lado.

O jornal britânico The Times acrescenta que Uthman "tem sido fotografado com as botas em cima de cabeças cortadas" e, segundo o France Soir, trata-se de um francês de Roubaix de origem portuguesa.

A Procuradoria da República Francesa, de acordo com o France Soir, identificou no mesmo vídeo o jihadista francês Maxime Hauchard e avança que, dadas as semelhanças, o indivíduo que surge ao lado de Jihadi John poderá tratar-se de um jovem francês nascido em 1992 e que se juntou ao Estado Islâmico em agosto de 2013. Ainda que a Procuradoria não adiante mais pormenores, o France Soir falou com Jean-Paul Ney, jornalista de investigação e grande repórter, que defende que este segundo jovem é efetivamente Abou Uthman, que é francês de Roubaix mas tem origem portuguesa.

O semanário Expresso adianta hoje, na sua edição online, que as autoridades portuguesas "têm conhecimento da alegada presença de um português, lusodescendente crescido em França, no último vídeo do Estado Islâmico e estão a tentar confirmar a informação". O Expresso refere ainda que Dos Santos é filho de pais portugueses que emigraram para os arredores de Lille e foi aí que viveu até partir para a Síria, para se alistar no Estado Islâmico.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG