Kosovo foi o drone na visita do primeiro-ministro albanês à Sérvia

Rama defendeu independência kosovar em Belgrado. PM sérvio criticou "provocação" e disse que "o Kosovo faz parte da Sérvia".

Edi Rama tornou-se ontem o primeiro chefe de governo albanês a visitar a Sérvia em 68 anos (o último foi Enver Hoxha em 1946). Prevista para 22 de outubro, a ida foi adiada após o incidente registado nove dias antes durante o jogo entre a Albânia e a Sérvia para a qualificação para o Euro 2016: um drone entrou em campo com uma bandeira da "Grande Albânia", um jogador sérvio arrancou a bandeira e o jogo foi suspenso. Seguiram-se confrontos. Ontem, durante a visita do primeiro-ministro albanês a tensão voltou a marcar presença, mas desta feita por causa da questão do reconhecimento do Kosovo. Rama e o seu homólogo da Sérvia, Aleksandar Vucic, trocaram afirmações inflamadas a propósito daquele território.

"O Kosovo é independente. Esta é uma realidade irreversível e esta realidade deve ser respeitada",declarou Edi Rama, em Belgrado, deixando o primeiro-ministro sérvio em choque quando a tradução lhe permitiu perceber o que o convidado albanês acabara de dizer. "Não esperava esta provocação da parte do senhor Rama, falar do Kosovo, porque não vejo o que é que ele tem que ver com o Kosovo. Devo responder-lhe porque não permitirei a ninguém que venha humilhar a Sérvia em Belgrado. Segundo a Constituição [sérvia], o Kosovo faz parte da Sérvia, não tem nada que ver com a Albânia, jamais terá alguma coisa que ver", respondeu o chefe do governo sérvio, disfarçando mal a sua irritação, relataram os jornalistas das agências internacionais presentes no local. Tentando reparar o mal feito, Rama convidou em seguida o anfitrião sérvio a retribuir-lhe a visita. "Após 100 anos temos um período de paz nesta região (...), mantemos a intenção de ter uma cooperação. Convido [o Sr. Vucic] a ir a Tirana", afirmou, referindo-se à capital da Albânia.

Leia mais na edição impressa ou no epaper do DN.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG