Jordânia diz que fará tudo para salvar piloto raptado pelo Estado Islâmico

Os terroristas ameaçam executar o piloto se Amã não libertar uma mulher jihadista iraquiana que está presa naquele país.

A Jordânia está determinada a fazer tudo para salvar a vida do seu piloto que está refém do grupo extremista Estado Islâmico (EI) e condena "vivamente" a execução do segundo refém japonês pelos rebeldes, declarou hoje o porta-voz do Governo jordano.

O país árabe "fará tudo para salvar e libertar o seu piloto", assegurou Mohammad al-Momeni, citado pela agência oficial jordana Petra, em referência a Maaz al-Kassasbeh, capturado em dezembro pelo Estado Islâmico (EI).

Os terroristas ameaçam executar o piloto se Amã não libertar uma mulher jihadista iraquiana que está presa naquele país.

O Estado Islâmico exige a libertação de Sajida al-Rishawi, que está no corredor da morte, em troca de Kassasbeh, um pedido que o Governo da Jordânia acedeu se for comprovado que o piloto está ainda vivo.

Sajida al-Rishawi esteve envolvida nos atentados a três hotéis em Amã, em 2005, realizado pela Al-Qaeda e que mataram 60 pessoas.

"Todas as organizações estão mobilizadas para garantir a prova de vida que precisamos para que o nosso piloto possa ser libertado e voltar para casa", disse Al-Momeni.

O porta-voz condenou também o assassinato do jornalista japonês Kenji Goto, o segundo refém executado pelo Estado Islâmico numa semana. O japonês Haruna Yukawa também foi assassinado pelo grupo terrorista.

O EI tinha exigido do Japão um resgate de 175 milhões de euros (200 milhões de dólares) pelos dois japoneses.

"Nós não poupámos esforços, em coordenação com o Governo japonês, para salvar a sua vida (de Goto)", referiu ainda o porta-voz do Governo jordano.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG