Irão quer tornar mulheres em "fábricas de fazer filhos"

Teerão quer travar queda na taxa de natalidade. Amnistia Internacional fala em recuo dos direitos da população feminina.

A Amnistia Internacional acusou ontem o regime de Teerão de querer transformar as "mulheres em fábricas de fazer filhos" com a aprovação de uma lei que interdita o recurso à esterilização voluntária e restringe o acesso a informação sobre métodos contracetivos. O objetivo da lei é o de travar a queda da taxa de natalidade no Irão, com os especialistas a sugerirem que o crescimento pode ser negativo dentro de duas décadas, se a tendência não for invertida.

A lei foi aprovada em 2014 e está a ser analisada pelo Conselho dos Guardiães (equivalente iraniano a um tribunal constitucional) e tudo indica que receberá luz verde. Para a Amnistia, a lei "vai permitir práticas discriminatórias e representa um retrocesso de décadas nos direitos das mulheres e das adolescentes na sociedade iraniana", afirma a diretora adjunta da organização para o Médio Oriente e Norte de África, Hassiba Hadj Saharaoui, na nota que acompanha o estudo ontem divulgado em Londres sobre o impacto da lei na população feminina do Irão.

Leia mais no epaper ou na edição impressa do DN

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG