WikiLeaks revela acordo confidencial internacional

A WikiLeaks divulgou um documento de trabalho das negociações internacionais em curso que visam uma radical desregulamentação dos setores bancário, financeiros e de serviços a nível mundial.

As revelações da WikiLeaks resultam de um documento de trabalho, datado de abril, das negociações em curso para a liberalização internacional dos serviços de telecomunicações, financeiros, informáticos, distribuição de retalho, entregas rápidas e de profissões como advogados, arquitetos, engenheiros e contabilistas, em que se revela estar em curso uma tentativa de maior desregulamentação dos setores abrangidos e uma maior troca de informações confidenciais particulares entre os Estados que venham a ser membros. Conhecidas sob a TISA (The Trade in Services Agreement), iniciaram-se em 2012 e envolvem hoje cerca de 50 países.

CLIQUE AQUI PARA ACEDER AO SITE DA WIKILEAKS:

O documento revelado pela WikiLeaks indicia que os bancos passarão ter maior liberdade de ação em países terceiros e as regras de controlo da sua ação deixam de se reger por critérios restritivos.

A circulação de informação sobre contas e dados financeiros passará a fazer-se com maior amplitude entre os Estados que venham a ser signatários do acordo e são simplificadas as regras para a circulação e estabelecimento nos países de especialistas em tecnologias da informação, juristas, contabilistas e outras pessoas ligadas às áreas de serviços.

Nas negociações estão envolvidos os Estados membros da União Europeia, os Estados Unidos, o Canadá, a Austrália, Coreia do Sul, Taiwan, Suíça, Paquistão e vários países da América Central e do Sul. As negociações decorrem fora do quadro da Organização Mundial de Comércio.

Segundo o documento, um dos mais fortes proponentes da desregulamentação financeira são os Estados Unidos ou, pelo menos, o seu "congelamento" nos níveis atuais.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.