Violência contra as mulheres custa 109 mil milhões por ano à União Europeia

Os custos da violência de género envolvem cuidados médicos, serviços sociais e processos judiciais. Chegam a "abrandar o funcionamento normal da economia".

Um novo estudo do Instituto Europeu da Igualdade de Género (EIGE, na sigla inglesa) vem mostrar que, além do seu custo humano, a violência de género tem também um elevado impacto económico na União Europeia, estimando que os países-membros gastem mais de 109 mil milhões de euros por ano em custos relacionados com esta.

Os custos monetários da violência contra as mulheres passam por cuidados médicos, serviços sociais, processos judiciais e mesmo perdas económicas diretamente derivadas da violência de género que, segundo o EIGE, "afetam a vítima, a sua família imediata, a sociedade e a economia a tal nível que chegam a abrandar o seu funcionamento normal", conforme se lê no comunicado que acompanha o estudo.

Os resultados surgem no "Estudo para estimar os custos da violência de género na União Europeia" e requerem, segundo a diretora do EIGE, ação imediata para melhor compreender e combater a violência contra as mulheres. "Criar políticas adequadas na União Europeia requer que haja dados quantitativos e qualitativos com urgência, de forma a medir o custo real da violência contra as mulheres", diz Virginija Langbakk, diretora do EIGE.

Os 109 mil milhões de euros por ano em custos com a violência contra as mulheres, que representam cerca de 0,8% do PIB da União Europeia, serão uma "estimativa conservadora", assegura, citada pelo El País, a autora principal do estudo. "Neste relatório não incluímos, por exemplo, os custos para os filhos das vítimas ou para as suas famílias", diz Sylbia Walby, da Universidade de Lancaster.

Trata-se da primeira vez que um estudo procura estimar o custo económico deste tipo de violência a nível europeu. O método, passou por usar dados do Reino Unido que se extrapolaram aos restantes estados membros, ajustando-os de acordo com o necessário.

Este tipo de violência afeta 55 milhões de mulheres europeias, sendo que, segundo um estudo deste ano da Agência Europeia para os Direitos Fundamentais, cerca de 22% das mulheres na Europa já sofreram maus tratos do seu parceiro ou ex-parceiro, agressões que também têm um custo económico.

"As mulheres sofrem feridas e lesões físicas graves, mas também outros problemas, como depressão. A violência de género tem um impacto enorme a longo prazo na saúde das mulheres", esclarece Karin Helweg-Larsen, investigadora da Universidade de Copenhaga.

O EIGE estima que cerca de três mil milhões de euros são gastos na prevenção da violência de género na União Europeia - apenas 3% do custo anual deste tipo de violência.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.