Veja os melhores anúncios do intervalo do Super Bowl

Todos os anos é assim: o Super Bowl 2013, o evento mais visto da televisão, faz dos intervalos uma segunda competição.

O Washington Post escolheu hoje os cinco anúncios do intervalo do Super Bowl que mais surpreenderam pela positiva. Estes blocos publicitários são caríssimos e as marcas apostam alto, pois sabem que os seus 'spots' comerciais serão vistos em todo o mundo.

A conhecida marca de fast-food Taco Bell, com um anúncio que inclui uma nova versão da música "We are young" da banda Fun, contou a história de um grupo de pessoas, da terceira idade que decidiram passar por uma série de experiências adolescentes, começando nas tatuagens e terminando numa pequena refeição noturna no Taco Bell.

Já a Samsung apostou em Seth Rogen e Paul Rudd, que são chamados para uma pequena reunião acerca do futuro comercial da marca. Nos momentos que se seguem, ambos competem para ver quem mais merece participar no comercial.

Quanto à Best Buy, esta investe em Amy Poheler, conhecida pelo papel de Leslie Knope da série "Parks and Recreation". Na publicidade, Amy chega à loja e inunda o fucionário com as mais variadas perguntas que se possa imaginar. A cena, já engraçada, torna-se hilariante graças ao talento da atriz.

O 'spot' da cerveja Budweiser foi muito falado no Twitter onde, muitas pessoas, confessaram ter ficado com uma lágrima ao canto do olho.

Por fim, o Washington Post elege o anúncio da marca Tide, onde um fã incondicional de Joe Montana suja com Ketchup a camisola e, incrivelmente, fica desenhada a figura do seu ídolo na mesma. O homem promete nunca mais lavar a camisola até... a sua mulher a apanhar e lavá-la com Tide.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.