Varoufakis: "Vou terminar o meu livro e mais um e mais outro"

David Patrikarakos é autor de Nuclear Iran: The Birth of an Atomic State. Num encontro com Yanis Varoufakis na casa deste em Atenas falam de Tsipras, Merkel, Schäuble e do futuro.

Yanis Varoufakis vive num ambiente de elegância discreta. O seu apartamento é espaçoso e agradável à vista. As prateleiras das estantes arqueiam com livros sobre política e economia, o que não admira em casa de um professor universitário que era, até julho, o ministro das Finanças da Grécia.

Varoufakis é hospitaleiro. Faz-nos café e põe uma caixa de chocolates sobre a mesa, ao lado do livro de Joseph Stiglitz sobre a desigualdade, The Great Divide. Ele está vestido com uma T-shirt vermelha escura e calças escuras. Quando marcámos este encontro disse-me que não queria falar sobre as eleições da Grécia, porque achava que era um assunto triste. No entanto, após a votação de domingo, ele está disposto a falar.

Pergunto-lhe por que razão a achou tão deprimente. Afinal, os eleitores não puniram os seus ex-colegas do governo do Syriza nem Alexis Tsipras, o primeiro-ministro. "Eu não quero reduzir a importância do triunfo de Alexis", diz ele, "mas em comparação com o referendo tivemos 1,6 milhões de pessoas que se abstiveram. O partido perdeu 363 000 votos desde janeiro. O défice democrático tem crescido substancialmente. Mesmo aqueles que votaram em Tsipras fizeram-no com tristeza e apreensão nos seus corações. Foram mesmo umas eleições muito tristes".

"Os grandes vencedores destas eleições", continua, "além de Alexis, foi a troika [o FMI, a Comissão Europeia e o BCE]".

O que resultará de tudo isto? "Um aprofundamento da crise, isso é uma certeza, e Tsipras sabe-o. A pergunta é: como é que ele se vai posicionar em relação à realidade? Porque há a retórica e há a realidade, quando se pede a pequenas empresas que paguem por conta 100% dos seus impostos futuros quando elas estão sem dinheiro e não têm acesso aos mercados de capitais. Terão de se mudar para a Bulgária ou terão de fechar. E quando se pede aos proprietários das habitações, que também não têm liquidez, para pagar o imposto sobre a propriedade. Então, o que estamos a fazer? Nós já temos um valor de evasão fiscal de 80 000 milhões de euros. Desta forma, só se vai conseguir criar muito mais. E não é evasão quando as pessoas não podem pagar."

"O alívio da dívida é uma causa perdida. Haverá uma redução substancial, porque uma dívida que é impagável não será paga.

Leia mais no epaper ou na edição impressa do DN

* Texto originalmente publicado no site do Politico

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Benefícios fiscais para quê e para quem

São mais de 500 os benefícios fiscais existentes em Portugal. Esta é uma das conclusões do relatório do Grupo de Trabalho para o Estudo dos Benefícios Fiscais (GTEBF), tornado público na semana passada. O número impressiona por uma razão óbvia: um benefício fiscal é uma excepção às regras gerais sobre o pagamento de impostos. Meio milhar de casos soa mais a regra do que a excepção. Mas este é apenas um dos alertas que emergem do documento.

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la no ensino superior

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.