Um morto após sismo de 7,4 ao largo da costa de El Salvador

Pelo menos uma pessoa morreu na sequência do sismo de 7,4 na escala de Richter, registado, esta noite, ao largo da costa de El Salvador, disse o 'mayor' da cidade de San Miguel.

O presidente da câmara de San Miguel, localizada a 135 quilómetros a leste da capital de El Salvador, Wilfredo Salgado, disse à rádio YSKL que não foram reportadas mais vítimas ou danos de maior, apesar do desmoronamento de várias paredes na cidade.

O abalo, que ocorreu a 170 quilómetros a sudeste da capital de El Salvador, foi localizado a uma profundidade de 70 quilómetros, de acordo com o Instituto Geológico dos Estados Unidos (USGS), que monitoriza a atividade sísmica mundial.

O terramoto foi sentido em toda a costa da América Central, levando o Centro de Alerta de Tsunami do Pacífico a emitir um alerta para as costas até uma distância de 300 quilómetros do epicentro, apesar de o ter levantado pouco depois.

"Qualquer ameaça remanescente deve ser avaliada pelas autoridades locais das zonas afetadas", disse a agência norte-americana.

De acordo com a rádio YSKL, algumas províncias do leste de El Salvador sofreram 'apagões' devido ao sismo, sentido por alguns segundos na capital de Nicarágua e noutras cidades, mas não foram reportados danos de maior, segundo as autoridades que aconselharam os residentes a deixarem as zonas costeiras.

Uma réplica de 5,3 foi entretanto registada na Costa Rica.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.