Um ano trágico na aviação comercial fez perto de mil mortos

Só os acidentes com dois aviões da companhia aérea malaia Malaysia Airlines custaram a vida a 537 pessoa.

2014 ficará marcado como um ano trágico na aviação comercial em que morreram quase mil pessoas em várias zonas do mundo. Logo em fevereiro, no dia 16, o voo 183 da Nepal Airlines despenhou-se perto de Khidim, 74 quilómetros a sudoeste de Pokhara, no Nepal, matando as 18 pessoas a bordo. Mas o incidente mais surpreendente aconteceria um mês depois: a 8 de março o voo MH370 da Malaysia Airlines desapareceu com 227 passageiros e 12 tripulantes a bordo. Ia de Kuala Lumpur para Pequim, tendo desaparecido dos radares na zona do golfo da Tailândia. Até hoje o Boeing 777 não foi encontrado e o mistério mantém-se.

Dezasseis dias depois do desaparecimento, o primeiro-ministro da Malásia, Najib Razak, indicou que, após análise dos dados de satélite, não havia mais dúvidas de que o voo MH370 caíra no oceano Índico e não havia sobreviventes. Os familiares vivem até hoje na incerteza e um robô submarino andou a vasculhar o fundo dos mares na esperança de encontrar algo. As autoridades australianas, que continuam a liderar as buscas, revelaram no início deste mês imagens do local onde pensam ter caído o avião. Apesar disso temem que os destroços não sejam encontrados.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN.

Ler mais

Exclusivos