UE prepara-se para receber mais 120 mil migrantes

Presidente da Comissão apresenta plano na próxima semana. Paris e Berlim querem mecanismo "permanente e obrigatório" para acolher refugiados. Governo húngaro mantém oposição.

Num dia vivido sob o impacto das imagens do corpo de Aylan Kurdi, a criança síria encontrada sem vida nas areias de uma praia turca, em consequência do naufrágio da embarcação em que a família tentava chegar à Grécia, o primeiro-ministro britânico, que se tem mostrado em clara oposição ao acolhimento de migrantes no Reino Unido, afirmou ontem estar "profundamente emocionado como pai" e disposto a cumprir as suas "responsabilidades morais". David Cameron deu assim a entender que Londres poderia rever a posição, que ele próprio expressara na véspera, dizendo que "acolher mais pessoas não é a solução" para o problema.

Nada emotivo, o chefe do governo húngaro, Viktor Orban, mantém que a crise dos migrantes é um "problema da Alemanha" e que não é dever do seu país acolher refugiados.

Para contrariar a oposição da Hungria e o ceticismo britânico, o presidente da Comissão Europeia vai propor medidas que definam regras comuns para todos na matéria. Jean-Claude Juncker irá defender o acolhimento de mais 120 mil migrantes, para responder à massa de refugiados que não cessa de chegar ao espaço da União Europeia (UE) e pretende o estabelecimento de um regime de quotas entre os Estados membros. A proposta será apresentada no discurso que profere na próxima quarta-feira, dia 9, perante o Parlamento Europeu.

O número que Juncker irá propor corresponde ao triplo dos 40 mil refugiados definido em maio, cuja aceitação ficou dependente da opção voluntária dos Estados membros.

Leia mais no epaper ou na edição impressa do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".