Turistas sentem buracos na rua, não temem ficar sem dinheiro

Apesar dos alertas para a eventual falta de liquidez, se as caixas multibanco sejam desligadas, estrangeiros que visitam a capital grega estão mais preocupados com a degradação.

Os turistas que passeavam na segunda-feira pelos monumentos de Atenas disseram não estar suficientemente preocupados com a crise da dívida grega para se abastecerem de dinheiro extra, apesar dos avisos de algumas agências de viagens de que as máquinas multibanco podem ser desligadas. Mas as estradas esburacadas nas viagens de autocarro, que passam ao lado dos protestos quase diários, são uma lembrança de que estão a visitar um país em dificuldades.

"Sente-se a crise quando vamos no autocarro, porque sentimos todos os buracos na estrada. Algumas coisas estão degradadas", disse o britânico Marcus Larbalestier. "De resto, até agora tudo bem."

A Grécia está envolvida em negociações de última hora com os credores em Bruxelas para garantir um acordo que evite o default, que no limite poderia forçar à sua saída da zona euro. Caso não consiga chegar a acordo, Atenas poderia ser obrigada a impor o controlo de capitais para travar a saída de milhões de euros dos últimos dias, apesar de o governo grego ter negado esse plano.

Leia mais no epaper ou na edição impressa do DN

*) Jornalista da Reuters

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".