Turistas portugueses devem levar dinheiro para a Grécia

Os portugueses que viajem para a Grécia devem levar consigo dinheiro suficiente para fazer face a uma emergência ou a despesas inesperadas, aconselha o Ministério dos Negócios Estrangeiros.

O conselho foi publicado, ontem, no Portal das Comunidades Portugueses, depois de outros países europeus terem feito a mesma recomendação aos seus cidadãos.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros sugere, ainda, que "os cidadãos nacionais que viajem para este país levem consigo mais do que um meio de pagamento (dinheiro, cartões de crédito e de débito)." Na mais recente atualização de conselhos do Portal das Comunidades - efetuada ontem -, há uma chamada de atenção para o facto de poderem "ocorrer manifestações nos dias que antecedem o referendo [dia 5 de julho], designadamente na emblemática Praça Syntagma, frente ao Parlamento, no centro da cidade." Embora as manifestações sejam quase sempre pacíficas, "recomenda-se, todavia, a prudência habitual e que se guarde distância em relação a essas concentrações."

No domingo, a Alemanha, o Reino Unido, a Holanda, a Dinamarca, a Finlândia e a Suécia também aconselharam os cidadãos que estão a pensar viajar para a Grécia a levar dinheiro consigo. Embora não haja limitações nos levantamentos de dinheiro por parte dos turistas, o elevado número de pessoas que fez recorreu às caixas multibanco no fim de semana, provocando grandes filas de espera, fez com que grande parte ficasse sem dinheiro, sendo que os bancos vão ficar fechados durante toda a semana.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros português lembra ainda que os conselhos podem ser alterados a qualquer hora, pelo que os turistas devem manter-se atentos ao Portal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.