Turistas portugueses devem levar dinheiro para a Grécia

Os portugueses que viajem para a Grécia devem levar consigo dinheiro suficiente para fazer face a uma emergência ou a despesas inesperadas, aconselha o Ministério dos Negócios Estrangeiros.

O conselho foi publicado, ontem, no Portal das Comunidades Portugueses, depois de outros países europeus terem feito a mesma recomendação aos seus cidadãos.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros sugere, ainda, que "os cidadãos nacionais que viajem para este país levem consigo mais do que um meio de pagamento (dinheiro, cartões de crédito e de débito)." Na mais recente atualização de conselhos do Portal das Comunidades - efetuada ontem -, há uma chamada de atenção para o facto de poderem "ocorrer manifestações nos dias que antecedem o referendo [dia 5 de julho], designadamente na emblemática Praça Syntagma, frente ao Parlamento, no centro da cidade." Embora as manifestações sejam quase sempre pacíficas, "recomenda-se, todavia, a prudência habitual e que se guarde distância em relação a essas concentrações."

No domingo, a Alemanha, o Reino Unido, a Holanda, a Dinamarca, a Finlândia e a Suécia também aconselharam os cidadãos que estão a pensar viajar para a Grécia a levar dinheiro consigo. Embora não haja limitações nos levantamentos de dinheiro por parte dos turistas, o elevado número de pessoas que fez recorreu às caixas multibanco no fim de semana, provocando grandes filas de espera, fez com que grande parte ficasse sem dinheiro, sendo que os bancos vão ficar fechados durante toda a semana.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros português lembra ainda que os conselhos podem ser alterados a qualquer hora, pelo que os turistas devem manter-se atentos ao Portal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.