Turistas portugueses devem levar dinheiro para a Grécia

Os portugueses que viajem para a Grécia devem levar consigo dinheiro suficiente para fazer face a uma emergência ou a despesas inesperadas, aconselha o Ministério dos Negócios Estrangeiros.

O conselho foi publicado, ontem, no Portal das Comunidades Portugueses, depois de outros países europeus terem feito a mesma recomendação aos seus cidadãos.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros sugere, ainda, que "os cidadãos nacionais que viajem para este país levem consigo mais do que um meio de pagamento (dinheiro, cartões de crédito e de débito)." Na mais recente atualização de conselhos do Portal das Comunidades - efetuada ontem -, há uma chamada de atenção para o facto de poderem "ocorrer manifestações nos dias que antecedem o referendo [dia 5 de julho], designadamente na emblemática Praça Syntagma, frente ao Parlamento, no centro da cidade." Embora as manifestações sejam quase sempre pacíficas, "recomenda-se, todavia, a prudência habitual e que se guarde distância em relação a essas concentrações."

No domingo, a Alemanha, o Reino Unido, a Holanda, a Dinamarca, a Finlândia e a Suécia também aconselharam os cidadãos que estão a pensar viajar para a Grécia a levar dinheiro consigo. Embora não haja limitações nos levantamentos de dinheiro por parte dos turistas, o elevado número de pessoas que fez recorreu às caixas multibanco no fim de semana, provocando grandes filas de espera, fez com que grande parte ficasse sem dinheiro, sendo que os bancos vão ficar fechados durante toda a semana.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros português lembra ainda que os conselhos podem ser alterados a qualquer hora, pelo que os turistas devem manter-se atentos ao Portal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."