Tsipras negoceia com os credores sob a ameaça de rebelião do Syriza

Medidas do primeiro-ministro estão a ser discutidas ao nível técnico, antes de serem apresentadas hoje à tarde no Eurogrupo. Mas possível acordo em Bruxelas não evita problemas em Atenas

O acordo ainda não está terminado em Bruxelas, mas em Atenas já se ouvem as críticas. Vários deputados do Syriza não gostaram das propostas que o primeiro-ministro e líder do partido, Alexis Tsipras, apresentou aos dirigentes europeus na segunda-feira. O fim das reformas antecipadas e aumento dos impostos são vistos como uma "carnificina social" e apelidados de "pedra tumular" para a Grécia. O problema é que, segundo o Financial Times, Berlim insiste que o pacote de medidas tem que ser aprovado pelo Parlamento grego, antes de ser votado pelos deputados alemães.

"Na minha opinião, estas medidas não podem ser aprovadas. São extremas e vão contra a justiça social", disse o deputado do Syriza Alexios Mitropoulos, vice-presidente do Parlamento, exigindo que Tsipras explique ao povo o que falhou nas negociações para se chegar a esta nova proposta. "Não acredito que estas medidas vão ao encontro dos princípios da esquerda. É uma carnificina social, os gregos não podem aceitar", acrescentou, dizendo que vão contra o programa do partido.

Leia mais pormenores na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.