Tsipras em Moscovo: do possível desconto no gás à redução das sanções agrícolas

Primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, reúne-se hoje com o presidente russo Vladimir Putin, em Moscovo, enquanto o Grupo de Trabalho do Euro discute reformas de Atenas em Bruxelas

Alexis Tsipras vai hoje à Rússia para reforçar laços económicos com o país de Vladimir Putin. Mas o que trará o chefe do governo grego de Moscovo para mostrar em Atenas? Um desconto no preço do gás russo fornecido aos gregos, a redução das sanções sobre os produtos agrícolas oriundos do país ou algum tipo de empréstimo, avançaram alguns media russos e mesmo responsáveis gregos.

Esta visita acontece na véspera de um importante reembolso de 460 milhões de euros que a Grécia tem de fazer ao FMI, no contexto dos dois pedidos de assistência financeira internacional que fez desde 23 de abril de 2010. E numa altura em que crescem os rumores à volta da falta de liquidez grega. Quando Tsipras e Putin estiverem reunidos em Moscovo, o Grupo de Trabalho do Euro, em Bruxelas, fará uma nova reunião para analisar a nova lista de reformas apresentada pelo executivo de Tsipras.

A Grécia precisa que FMI, BCE e Comissão Europeia desbloqueiem o restante do resgate, no valor de 7,2 mil milhões de euros. Em fevereiro obteve do Eurogrupo uma extensão de quatro meses do programa de ajustamento, prometendo fazer mais reformas em troca. Mas até agora tudo tem andado muito lentamente e o governo grego poderá ficar sem dinheiro durante este mês para pagar salários e pensões.

"É claro que a Rússia não é uma alternativa para a Grécia. O lugar da Grécia é na zona euro. Não precisamos de nos preocupar. Há que ter atenção às posições diplomáticas, mas se virmos bem o futuro da Grécia é na zona euro e na UE. É para isso que trabalhamos juntos", declarou na semana passada em entrevista ao DN, em Lisboa, o comissário europeu dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici. O ex-ministro das Finanças francês sublinhou que o líder grego tem todo o direito de procurar ter uma boa relação com Vladimir Putin.

LEIA MAIS NA EDIÇÃO IMPRESSA OU NO E-PAPER DO DN:

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.