Tsipras demite-se se sim vencer e milhares manifestam-se pelo não

Referendo. Primeiro-ministro garante que irá respeitar o resultado da votação de domingo e admite deixar governo. Tsipras diz ser impossível pagar hoje ao FMI os 1,5 mil milhões de euros.

"A decisão do povo grego será respeitada e implementada." A promessa foi deixada por Alexis Tsipras, admitindo que se demitirá caso o referendo de domingo dite a vitória do sim à proposta dos credores entregue ao governo que previa aumento das medidas de austeridade, como a subida do IVA. Em entrevista a uma televisão helénica, Tsipras afirmou não ser "um primeiro-ministro que se mantém no cargo faça chuva ou faça sol".

O líder do Syriza, que vê o referendo como uma forma de continuar as negociações - "o nosso objetivo é permitir estar mais bem armado na prossecução das negociações" -, considera que quanto mais forte for a rejeição da proposta, mais forte ficará a Grécia para as próximas conversações.

O primeiro-ministro grego foi também taxativo quanto à impossibilidade de o país pagar hoje 1,5 mil milhões de euros ao FMI. "É possível que os credores esperem que paguemos ao FMI quando impuseram a asfixia aos bancos?", questionou, adiantando que "a partir do momento em que decidam levantar a asfixia, serão pagos". Com os bancos encerrados até 6 de julho, Tsipras admite que "o cenário não é o ideal", mas frisou que a Grécia "irá sobreviver" com ou sem programa de ajuda externa. "O povo grego viu que nos últimos cinco meses fizemos o que pudemos para chegar a acordo", disse, frisando que não acredita que os credores desejem que a Grécia abandone a zona euro.

Horas antes da entrevista de Tsipras, milhares de pessoas juntaram-se na Praça Syntagma, em Atenas, numa concentração pelo não ao "acordo catastrófico" dos credores, numa competição de cartazes, faixas, palavras de ordem, em que predominava uma palavra grega: oxi, não. Aos altifalantes, música revolucionária e frases mobilizadoras contra o "acordo da catástrofe imposto por Merkel, Draghi e Dijsselbloem". Nesta concentração convocada pelo Syriza, pequenos grupos mais radicais recolhiam assinaturas para a saída da Grécia da zona Euro e da União Europeia e exibiam cartazes "contra a austeridade".

"Estou aqui para votar não. Não quero o acordo, não quero a UE, nem a zona euro", diz Vangelis, 28 anos, desempregado e com um mestrado em Agronomia. "Quero que pelo menos o meu país se mantenha de pé, que coopere com outros países e gira os seus recursos naturais", acrescentou.

Junto ao parlamento, Emanuela, 50 anos, exibe um pequeno autocolante com a palavra oxi: "Estou aqui para dizer um grande não à UE, que quer pôr a Grécia de joelhos."

Primeiro dia de racionamento

Cerca de 40 minutos após a hora prometida, as grades da sucursal do Banco Nacional grego na Praça Syntagma subiram lentamente mas só para a caixa multibanco, no primeiro dia de racionamento monetário. Uma medida que não provocou no imediato reações de pânico ou protestos generalizados. "Estávamos à espera de que abrisse ao meio-dia mas demorou algum tempo. Pelo menos nesta semana só podemos levantar 60 euros por dia", diz Igor, um jovem de origem ucraniana mas que veio com os pais para a Grécia há 15 anos. Muitos jornalistas registam o primeiro levantamento, feito por um homem de meia-idade. "Já tirámos todo o dinheiro e agora venho tirar o resto, ainda tenho cem euros. Deixámos de confiar nos bancos", prossegue Igor, que admite uma "corrida aos supermercados" para os produtos de primeira necessidade caso se mantenha o impasse negocial.

* Enviado da agência Lusa a Atenas

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.