Tribunal egípcio absolve 26 homens acusados de homossexualidade

26 homens detidos num banho público de Azbakeya, sob a acusação de "libertinagem" ou "imoralidade", foram hoje absolvidos.

Um tribunal egípcio absolveu hoje 26 homens julgados por homossexualidade, detidos em dezembro num banho público e acusados de "libertinagem", num caso que suscitou críticas internacionais.

Os homens foram detidos num banho público de Azbakeya, na capital, a 07 de dezembro. A operação policial foi filmada e difundida no programa semanal "Os Escondidos", da televisão por satélite privada pró-regime Al-Qahira Wel Nas.

Nas imagens viam-se os homens despidos, tapados apenas com uma toalha e de cara coberta, arrastados pelos agentes para carrinhas da polícia.

"Deus é o maior, longa vida à justiça", gritaram os acusados quando o veredicto foi lido, segundo um jornalista da agência France Presse que assistiu à audiência.

No início, os acusados, entre os quais figuravam o dono do banho público e quatro empregados, foram conduzidos, algemados, para uma cela de grades dimensões na sala do tribunal.

"O veredicto prova a nossa inocência e limpa o nome do 'hama' (casa de banhos públicos). Juro que não fiz nada de mal", disse o dono, Fathy Abdel Rahman.

"Por fim, um tribunal egípcio chegou a um veredicto num caso deste tipo em conformidade com a lei", considerou um advogado de defesa, Ahmed Hossam.

A lei egípcia não proíbe expressamente a homossexualidade, mas vários homens têm sido detidos sob a acusação de "libertinagem" ou "imoralidade".

Dezena e meia de egípcios foram condenados por acusações destas nos últimos meses, condenações muito criticadas por organizações dos direitos humanos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.