Tribunal egípcio absolve 26 homens acusados de homossexualidade

26 homens detidos num banho público de Azbakeya, sob a acusação de "libertinagem" ou "imoralidade", foram hoje absolvidos.

Um tribunal egípcio absolveu hoje 26 homens julgados por homossexualidade, detidos em dezembro num banho público e acusados de "libertinagem", num caso que suscitou críticas internacionais.

Os homens foram detidos num banho público de Azbakeya, na capital, a 07 de dezembro. A operação policial foi filmada e difundida no programa semanal "Os Escondidos", da televisão por satélite privada pró-regime Al-Qahira Wel Nas.

Nas imagens viam-se os homens despidos, tapados apenas com uma toalha e de cara coberta, arrastados pelos agentes para carrinhas da polícia.

"Deus é o maior, longa vida à justiça", gritaram os acusados quando o veredicto foi lido, segundo um jornalista da agência France Presse que assistiu à audiência.

No início, os acusados, entre os quais figuravam o dono do banho público e quatro empregados, foram conduzidos, algemados, para uma cela de grades dimensões na sala do tribunal.

"O veredicto prova a nossa inocência e limpa o nome do 'hama' (casa de banhos públicos). Juro que não fiz nada de mal", disse o dono, Fathy Abdel Rahman.

"Por fim, um tribunal egípcio chegou a um veredicto num caso deste tipo em conformidade com a lei", considerou um advogado de defesa, Ahmed Hossam.

A lei egípcia não proíbe expressamente a homossexualidade, mas vários homens têm sido detidos sob a acusação de "libertinagem" ou "imoralidade".

Dezena e meia de egípcios foram condenados por acusações destas nos últimos meses, condenações muito criticadas por organizações dos direitos humanos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.