Torre Eiffel fechada durante sete horas por causa dos carteiristas

Os funcionários do emblemático monumento parisiense fizeram greve a exigir ajuda para lidar com os carteiristas. Torre Eiffel só abriu a meio da tarde.

Durante sete horas, a Torre Eiffel esteve hoje encerrada. Motivo: greve dos funcionários. Razão: os carteiristas.

Os funcionários do monumento parisiense, um dos mais visitados em todo o mundo, querem ajuda para saber lidar com os carteiristas, cujo número tem vindo a aumentar nos últimos anos ao ponto de se tornarem uma ameaça para turistas e trabalhadores.

De acordo com a lei francesa, os trabalhadores podem retirar-se do posto de trabalho se sentirem que correm "perigo grave ou iminente" para a sua vida ou saúde.

A Sociedade que gere a torre Eiffel lamentou a situação e, sobretudo, o facto de os turistas que já se encontravam no local terem sido prejudicados.

A torre Eiffel só abriu ao público cerca das 16h30 locais e nos próximos dias saber-se-á que medidas poderão ser adotadas para ir ao encontro das reivindicações dos funcionários.

O protesto aconteceu um dia depois de as autoridades terem anunciado uma diminuição de assaltos nas zonas turísticas de Paris, em comparação com o ano passado.

Há dois anos, o museu do Louvre esteve encerrado durante dois dias também devido a uma greve relacionada com os assaltos agressivos aos funcionários e turistas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.