Torre Eiffel fechada durante sete horas por causa dos carteiristas

Os funcionários do emblemático monumento parisiense fizeram greve a exigir ajuda para lidar com os carteiristas. Torre Eiffel só abriu a meio da tarde.

Durante sete horas, a Torre Eiffel esteve hoje encerrada. Motivo: greve dos funcionários. Razão: os carteiristas.

Os funcionários do monumento parisiense, um dos mais visitados em todo o mundo, querem ajuda para saber lidar com os carteiristas, cujo número tem vindo a aumentar nos últimos anos ao ponto de se tornarem uma ameaça para turistas e trabalhadores.

De acordo com a lei francesa, os trabalhadores podem retirar-se do posto de trabalho se sentirem que correm "perigo grave ou iminente" para a sua vida ou saúde.

A Sociedade que gere a torre Eiffel lamentou a situação e, sobretudo, o facto de os turistas que já se encontravam no local terem sido prejudicados.

A torre Eiffel só abriu ao público cerca das 16h30 locais e nos próximos dias saber-se-á que medidas poderão ser adotadas para ir ao encontro das reivindicações dos funcionários.

O protesto aconteceu um dia depois de as autoridades terem anunciado uma diminuição de assaltos nas zonas turísticas de Paris, em comparação com o ano passado.

Há dois anos, o museu do Louvre esteve encerrado durante dois dias também devido a uma greve relacionada com os assaltos agressivos aos funcionários e turistas.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.