Torre Eiffel fechada durante sete horas por causa dos carteiristas

Os funcionários do emblemático monumento parisiense fizeram greve a exigir ajuda para lidar com os carteiristas. Torre Eiffel só abriu a meio da tarde.

Durante sete horas, a Torre Eiffel esteve hoje encerrada. Motivo: greve dos funcionários. Razão: os carteiristas.

Os funcionários do monumento parisiense, um dos mais visitados em todo o mundo, querem ajuda para saber lidar com os carteiristas, cujo número tem vindo a aumentar nos últimos anos ao ponto de se tornarem uma ameaça para turistas e trabalhadores.

De acordo com a lei francesa, os trabalhadores podem retirar-se do posto de trabalho se sentirem que correm "perigo grave ou iminente" para a sua vida ou saúde.

A Sociedade que gere a torre Eiffel lamentou a situação e, sobretudo, o facto de os turistas que já se encontravam no local terem sido prejudicados.

A torre Eiffel só abriu ao público cerca das 16h30 locais e nos próximos dias saber-se-á que medidas poderão ser adotadas para ir ao encontro das reivindicações dos funcionários.

O protesto aconteceu um dia depois de as autoridades terem anunciado uma diminuição de assaltos nas zonas turísticas de Paris, em comparação com o ano passado.

Há dois anos, o museu do Louvre esteve encerrado durante dois dias também devido a uma greve relacionada com os assaltos agressivos aos funcionários e turistas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.