Todos os passos de Lula para regressar ao Planalto em 2018

Brasil. Ex-presidente quer ser futuro presidente. Aproxima-se ou afasta-se do governo do seu partido, consoante as conveniências

"Eu estou aqui quietinho no meu canto sem querer brigar mas parece que me estão chamando para a briga e olha que eu sou bom de briga", gritou com a sua tradicional voz rouca Luiz Inácio Lula da Silva no 1º de Maio, horas depois de as manchetes de duas revistas semanais brasileiras, a Época e a Veja, o terem colado ao escândalo de corrupção da Petrobras.

O discurso, feito no palanque da Central Única de Trabalhadores (CUT), o braço sindical do Partido dos Trabalhadores (PT), e acolhido com delírio pela multidão soou como anúncio oficial. Lula, de 69 anos e recuperado de um cancro, marca território rumo ao Palácio do Planalto para, então já septuagenário, suceder à sucessora Dilma Rousseff em 2018.

Meses antes, durante o período escaldante das manifestações pró-destituição de Dilma, Lula já se disponibilizara para a luta num evento do PT. Chamou a seu lado João Pedro Stédile, dirigente do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), e desafiou: "Quero paz e democracia mas se eles [oposição e manifestantes] não quiserem, o Stédile disponibiliza o exército dele e estamos aí na luta".

Mais do que dizer que vai à luta, aquele que foi o presidente do Brasil entre 2003 e 2011 explica com quem vai à luta - com os sindicatos e os sem-terra, ou seja, com a esquerda mais à esquerda do país.

E vai com a esquerda porque sente que as elites lhe são ingratas: "As elites ficam loucas quando falam no meu nome para a presidência, mesmo tendo em conta que nunca ganharam tanto dinheiro como quando eu estava no Planalto".

Leia mais na edição impressa ou no epaper do DN.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.