Todos os passos de Lula para regressar ao Planalto em 2018

Brasil. Ex-presidente quer ser futuro presidente. Aproxima-se ou afasta-se do governo do seu partido, consoante as conveniências

"Eu estou aqui quietinho no meu canto sem querer brigar mas parece que me estão chamando para a briga e olha que eu sou bom de briga", gritou com a sua tradicional voz rouca Luiz Inácio Lula da Silva no 1º de Maio, horas depois de as manchetes de duas revistas semanais brasileiras, a Época e a Veja, o terem colado ao escândalo de corrupção da Petrobras.

O discurso, feito no palanque da Central Única de Trabalhadores (CUT), o braço sindical do Partido dos Trabalhadores (PT), e acolhido com delírio pela multidão soou como anúncio oficial. Lula, de 69 anos e recuperado de um cancro, marca território rumo ao Palácio do Planalto para, então já septuagenário, suceder à sucessora Dilma Rousseff em 2018.

Meses antes, durante o período escaldante das manifestações pró-destituição de Dilma, Lula já se disponibilizara para a luta num evento do PT. Chamou a seu lado João Pedro Stédile, dirigente do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), e desafiou: "Quero paz e democracia mas se eles [oposição e manifestantes] não quiserem, o Stédile disponibiliza o exército dele e estamos aí na luta".

Mais do que dizer que vai à luta, aquele que foi o presidente do Brasil entre 2003 e 2011 explica com quem vai à luta - com os sindicatos e os sem-terra, ou seja, com a esquerda mais à esquerda do país.

E vai com a esquerda porque sente que as elites lhe são ingratas: "As elites ficam loucas quando falam no meu nome para a presidência, mesmo tendo em conta que nunca ganharam tanto dinheiro como quando eu estava no Planalto".

Leia mais na edição impressa ou no epaper do DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.