Tanzânia baniu os feiticeiros para tentar proteger população albina

Os feiticeiros tanzanianos perpetuam a superstição de que as partes do corpo das pessoas albinas são amuletos de boa sorte.

O ministro do Interior da Tanzânia, Mathias Chikawe, anunciou terça-feira que os feiticeiros, ou curandeiros, do país não poderão continuar a trabalhar, acrescentando que haverá uma operação a nível nacional para os prender e julgar se continuarem a exercer. A esperança é a de que esta medida diminua os ataques a pessoas com albinismo, visto que os feiticeiros da Tanzânia acreditam que as partes do corpo de pessoas albinas trazem boa sorte.

A Sociedade Tanzaniana do Albinismo afirma que a medida é um passo importante para "acabar com os incidentes de uma vez por todas". O presidente da sociedade, Ernest Njamakimaya, disse à BBC: "Se nós e o governo conseguirmos juntar-nos e mostrar força como um só e falar como um só, podemos lidar com este problema".

A Tanzânia tem a maior incidência de albinismo no mundo, com cerca de 33 mil pessoas albinas no país. Só nos últimos três anos, 70 pessoas com albinismo foram mortas no país, mas muitas vezes os casos não são investigados. Só 10 pessoas foram condenadas por assassínio nestes três anos.

O ministro Mathias Chiwake afirmou que a busca e detenção de feiticeiros vai começar nas próximas duas semanas nas regiões no norte do país, onde aconteceu o maior número de ataques.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.