Supermercados Target vão deixar de separar brinquedos "para menino" e "para menina"

Decisão aplicar-se-á também a outros produtos, como roupa de cama. As secções "de rapaz" e "de rapariga" vão simplesmente desaparecer.

No que será mais um exemplo da força das redes sociais em mudar hábitos aparentemente enraizados, a rede de supermercados americana Target decidiu acabar com as secções "para rapaz" e "para rapariga" nos brinquedos, roupa de cama, decoração e entretenimento, noticia hoje o jornal Washington Post.

Esta decisão surge dois meses depois de uma cliente ter publicado no Twitter uma foto de um cartaz da Target em que se lia existir naquela zona "brinquedos de construção" e "brinquedos de construção para meninas".

O tweet, em que a utilizadora @abianne apenas escreve "Não façam isto, @Target" foi replicado quase três mil vezes e gerou milhares de comentários.

A Target, em comunicado publicado no seu site oficial, não assume que a decisão tenha sido influenciada pelas redes sociais. Apenas se diz que têm em conta as questões de género e a perceção do público relativamente a elas. "Sabemos que as preferências de compra e as necessidades [dos clientes] mudam", escreve a empresa.

A Target não é a primeira a tomar uma decisão destas. Em setembro de 2013, a Toys"R"Us britânica decidiu deixar de utilizar designações de género - como "para rapaz" ou "para rapariga". A medida surgiu após a campanha online Let Toys Be Toys, assinada por milhares de pessoas, criada com o propósito de passara ideias de que brinquedos não têm género.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.