Sondagens dão vantagem ao Syriza sobre partido no Governo

O partido de esquerda radical Syriza seria o mais votado se se realizassem hoje eleições legislativas na Grécia, batendo a Nova Democracia, de centro-direita, do atual primeiro-ministro Antonis Samaras.

A sondagem publicada na edição de hoje do jornal Parapolitika mostra que 32,9% dos eleitores helénicos votariam no Syriza, liderado por Alexis Tsipras, que se opõe ao programa de resgate financeiro aplicado na Grécia, contra 26,1% que escolheria a Nova Democracia, no Governo em coligação com os socialistas do Pasok, que só recolhem 4,7% das intenções de voto.

Apesar da vantagem clara do partido de esquerda radical, o Syriza recua face a anterior sondagem, realizada entre 6 a 8 de outubro, quando obteve 34,1% enquanto o Nova Democracia teve 26,2%.

Ainda que só estejam previstas eleições legislativas para junho de 2016, e o Governo de Antonis Samaras tenha vencido no passado dia 10 um voto de confiança no Parlamento, muitos analistas políticos gregos dão como inevitável uma crise a médio prazo, designadamente nos primeiros meses do próximo ano.

Será nesta altura que o Parlamento deve votar um novo presidente da república e antecipa-se que o candidato proposto pelo Nova Democracia não consiga o número de votos suficiente para a sua eleição. A impossibilidade de eleger um novo chefe de Estado conduz à dissolução do Parlamento e eleições antecipadas.

Samaras quer pôr fim ao programa de assistência até final do ano, o que é considerado irrealista por Tsipras, que considera estar a Grécia refém dos "jogos do mercado".

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.