Sismo no Nepal já matou mais de 2500 pessoas e afeta 6,6 milhões

Fortes réplicas geram pânico em Katmandu, onde equipas de resgate procuram sobreviventes e médicos tratam feridos em tendas. Abalos continuam a provocar avalanches nos Himalaias.

As fortes réplicas que se sentem este domingo no Nepal depois do sismo com magnitude de 7,9 na escala de Richter de ontem, que causou mais de 2500 mortos, continuam a provocar avalanches na região do Monte Evereste e a levar pânico à população de Katmandu. Segundo estimativas da ONU, 6,6 milhões de pessoas foram afetadas.

De acordo com as autoridades, 2152 pessoas morreram no Nepal, 57 na Índia, 17 na China e um no Bangladesh, além dos milhares de feridos, devido ao terramoto de sábado.

Os socorristas continuam a escavar os escombros na capital, Katmandu, que foi devastada pelo sismo. Os moradores estão aterrorizados e muitos foram forçados a acampar à noite na capital, pois vários edifícios e casas foram reduzidos a escombros.

Hoje, a região foi novamente atingida por um terramoto de magnitude 6,7 na escala de Richter, o que veio a agravar a situação depois deste desastre natural, que é já considerado o pior do país nos últimos 80 anos. Várias equipas de televisão que estavam no terreno filmaram a réplica.

Os hospitais estão sobrecarregados e os médicos estão a tratar os doentes em tendas improvisadas, sendo que as equipas foram forçadas a abandonar os edifícios por medo de novos colapsos.

"A eletricidade foi cortada, as comunicações estão congestionadas e os hospitais estão lotados e estão a ficar sem espaço para guardar corpos", disse a chefe executiva da organização não-governamental Oxfam, Helen Szoke, à agência francesa AFP.

A diretora do escritório da agência francesa AFP no Nepal, Ammu Kannampilly, estava a fazer reportagens no campo base do Monte Everest, a 5.500 metros de altitude, quando aconteceu o terramoto no sábado, mas saiu ilesa.

A AFP referiu que as avalanches causadas pelo sismo acabaram por matar 18 montanhistas e deixaram cerca de 60 feridos.

Ammu Kannampilly afirmou que seis helicópteros conseguiram chegar ao campo base hoje, após as condições meteorológicas terem melhorado durante a noite.

Diversos Governos, como da China, Japão e Austrália estão a tentar localizar milhares de pessoas que estavam na região do sismo e estão a realizar operações de transporte e a criar gabinetes de crise para atender os seus cidadãos.

Estimativas divulgadas hoje pela ONU indicam que o sismo afetou cerca de 6,6 milhões de pessoas em 30 distritos do Nepal.

As manifestações de solidariedade para com o Nepal têm-se multiplicado, com inúmeros Governos e organizações internacionais a oferecerem ajuda, como os Estados Unidos, a Austrália, a Índia, a China, a União Europeia, a ONU, entre outros.

Ler mais

Exclusivos