Samantha, Justine, Miriam, Kirsten... ah e Peter, o "senhor" Nicola Sturgeon

As mulheres (ou maridos) têm surgido na campanha para as eleições de dia 7 para dar o lado mais humano dos candidatos

Nas últimas semanas, Samantha Cameron, Justine Miliband, Miriam Clegg e Kirsten Farage puseram as suas carreiras em suspenso e entraram na campanha para ajudar a tornar os respetivos maridos "mais normais". Mas será que as mulheres - ou maridos, como Peter Russell, o "Sr." Nicola Sturgeon - valem votos? Segundo uma sondagem YouGov para a BBC, a mulher de David Cameron é o cônjuge mais valioso (para 71% dos inquiridos), seguida de Justine Miliband, com 19% e de Miriam Clegg (10%).

"Todos os líderes são vistos como pouco normais. As mulheres ajudam a fazer os maridos parecer-se mais connosco", explicou à BBC Joe Twyman, analista do instituto de sondagens YouGov. Segundo Twyman, "estas mulheres são muito bem-sucedidas naquilo que fazem, por isso são uma mais-valia. Mas as campanhas são muito mais próximas do que eram e os resultados são incertos, por isso todos querem ter os melhores argumentos".

E pelo menos no caso de Samantha Cameron, as suas ações de campanha e entrevistas parecem jogar a seu favor. Aos 44 anos, a mulher do primeiro-ministro conservador falou há dias ao 'Mail on Sunday' para garantir que "Dave governa o país, eu governo as idas para a escola". SamCam, como é conhecida, recebeu os jornalistas no n.º 10 de Downing Street à hora do pequeno-almoço, enquanto a filha mais nova, Florence, de 4 anos, disputava a atenção do pai com os documentos oficiais em cima da mesa. Alta, magra, esta filha de um nobre concilia o emprego como consultora numa empresa de moda com os três filhos - Nancy, de 11, Elwen, de 9, e Florence. Grávida quando o marido foi eleito em 2010, Samantha falou sobre os filhos, o emprego e até sobre a tatuagem de um golfinho que tem no tornozelo e escondeu na primeira visita à rainha Isabel II. Falou ainda sobre Ivan, o filho deficiente que morreu em 2009, aos 6 anos. Um drama que Samantha diz ter reforçado o casamento.

LEIA MAIS NA EDIÇÃO IMPRESSA OU NO E-PAPER DO DN:

Ler mais

Exclusivos