Roupas das vítimas do massacre de Santa Cruz em exposição

Familiares dos jovens que morreram há 23 anos no massacre de Santa Cruz, doaram as roupas das vítimas para exposição.

O Arquivo e Museu da Resistência de Timor-Leste passou hoje a ter em exposição roupas das vítimas do massacre de Santa Cruz doadas pelos familiares dos jovens que morreram há 23 anos naquele cemitério de Díli.

A cerimónia de entrega formal das roupas foi feita ao Arquivo e Museu da Resistência por um representante dos familiares das vítimas, Francisco Amaro, cujo filho adotivo morreu no massacre e que nunca vai conseguir identificar por não terem o mesmo ADN.

As roupas entregues pertencem a corpos encontrados numa vala comum por médicos forenses, que só conseguiram identificar nove das várias ossadas identificadas.

"Agradeço aos pais dos nove jovens identificados terem doado as roupas dos filhos ao Arquivo e Museu da Resistência", afirmou Francisco Amaro.

Presente na cerimónia esteve também Gregório Saldanha, do Comité 12 de Novembro, que apelou às famílias das vítimas para entregarem mais bens ao museu para que todas as "pessoas possam testemunhar a história".

A cerimónia decorreu no âmbito das celebrações do Dia Nacional da Juventude, que se assinala a 12 de Novembro como forma de homenagear as vítimas do massacre de Santa Cruz.

O massacre de Santa Cruz ocorreu quando mais de duas mil pessoas marcharam até àquele cemitério de Díli para prestarem homenagem ao jovem Sebastião Gomes, morto por elementos ligados às forças indonésias.

No cemitério, militares indonésios abriram fogo sobre a multidão e provocaram a morte de 74 pessoas no local. Nos dias seguintes, mais de 120 jovens morreram no hospital ou em resultado da perseguição das forças ocupantes.

No âmbito das comemorações do dia Nacional da Juventude, o Arquivo e Museu da Resistência realizou durante este mês jogos com as escolas de Díli sobre a história da resistência, tendo hoje procedido à entrega de prémios aos estudantes vencedores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".