Romeu e Julieta da Venezuela resistem a crise política

Guerras pré-eleitorais não abalam romance entre ministro chavista e enteada de Antonio Ledezma, autarca de Caracas e opositor de Nicolás Maduro, preso em fevereiro.

Na Venezuela, o vice-presidente Jorge Arreaza é casado com Rosa Virgínia, a filha do ex-presidente Hugo Chávez. A ex-deputada e ex--procuradora geral da República Cília Flores é a esposa do presidente Nicolás Maduro. Mas nenhuma destas uniões chama mais a atenção na Venezuela do que a de Andrés Izarra e Isabel González. Ele é chavista e ministro do Turismo. Ela é enteada de Antonio Ledezma, o presidente da Câmara de Caracas, preso a 19 de fevereiro por membros das secretas (Sebin), acusado de conspirar contra o governo.

O romance voltou à ribalta quando Mitzy de Ledezma, mãe de Isabel e esposa de Ledezma, disse aos media que o genro havia renunciado ao cargo público. Até então o casamento dos dois era mantido longe dos holofotes. Izarra mudou a descrição do seu perfil nas redes sociais, no entanto, a página do Ministério de Turismo continua a manter o seu nome no máximo cargo da entidade.

Leia mais no epaper ou na edição impressa do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.