Queriam falar com o Pai Natal e ligaram para o 112

Dois irmãos, com 6 e 3 anos, agarraram no telemóvel do pai e ligaram para o número de emergência. A urgência era falar com o Pai Natal.

A história aconteceu a 23 de novembro nos Estados Unidos, onde surgem com frequência casos curiosos como este. Desta vez, foram dois irmãos, Blake e Brody, de 6 e 3 anos respetivamente, os protagonistas do estranho telefonema para o 911, o número de emergência nacional equivalente ao nosso 112.

Os dois rapazes tinham uma urgência: falar com o Pai Natal. Só que a surpresa não lhes chegou pela chaminé na noite de 24 de dezembro; a surpresa surgiu imediatamente quando a polícia lhes bateu à porta.

Os pais dos rapazes não se aperceberam de nada e só souberam da situação através de um telefonema para o telemóvel a perguntar-lhes se estava tudo bem. Mesmo assim, a polícia foi confirmar na casa da família que não havia qualquer emergência. Os miúdos é que não ganharam para o susto.

Em compensação, puderam visitar a esquadra da polícia local, onde receberam um capacete e um carro da polícia de brincar.

A mãe assume uma certa culpa no episódio, uma vez que uns dias antes haviam ligado para uma linha criada para a época natalícia, em que as crianças podem deixar os seus pedidos ao Pai Natal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.