Quem for de bicicleta para o trabalho irá receber dinheiro por cada quilómetro que pedalar

Cada quilómetro pedalado para o trabalho irá render 25 cêntimos.

O programa piloto começou no ano passado em França com 19 empresas - que empregavam dez mil trabalhadores - a aderirem à ideia de pagar aos seus empregados para usaram a bicicleta como meio de transporte. A 1 de julho de 2015 a medida tornou-se efetiva, mas o valor final não estava ainda fixado. A ministra do Ambiente francesa, Ségolène Royal anunciou que cada quilómetro pedalado para o trabalho irá render 25 cêntimos.

As empresas não serão obrigadas a fazer este pagamento, mas Ségolêne Royal explicou, citada pelo Le Figaro, que caso optem por incentivar os empregados a escolher a bicicleta com os referidos 25 cêntimos por quilómetro, não terão de pagar segurança social sobre esse valor e o trabalhador não terá de pagar qualquer imposto.

A França junta-se assim a outros países europeus que também criaram incentivos financeiros para fomentar o uso da bicicleta nas cidades, para assim ajudar a melhorar a saúde da população, reduzir a poluição e o consumo de combústiveis fósseis.

Bélgica, Alemanha, Dinamarca, Grã-Bretanha e a Holanda têm diferentes programas que vão desde o pagamento por quilómetros, benefícios fiscais e até apoios na compra de uma bicicleta. Outra forma são as bicicletas espalhadas pelas cidades (como Londres e Barcelona e Estocolmo) que pode ser utilizadas por qualquer pessoa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.