Primeiro nascimento no World Trade Center após o 11 de Setembro

Nova-iorquina deu à luz na estação ferroviária do WTC. É o primeiro caso desde os ataques que deitaram abaixo as torres gémeas.

Uma nova-iorquina deu hoje à luz uma menina na estação ferroviária do World Trade Center, tornando-se no primeiro nascimento no local após os ataques de 11 de setembro de 2001, divulgaram as autoridades.

A mãe, residente no distrito de Queens, entrou em trabalho de parto às 02:30 locais (07:30 em Lisboa) no terminal da estação ferroviária do World Trade Center, e foi assistida pelos agentes da autoridade que prestam serviço naquela estação.

A menina chama-se Asenat e pesa 3,1 quilogramas.

"A mulher disse sentir que a criança ia nascer e os agentes preparam a área [na plataforma da estação] para ajudarem ao nascimento", referiram os agentes, acrescentando que uma equipa dos Serviços Médicos de Emergência chegou ao local e, minutos depois, a bebé nasceu.

"Este foi o primeiro nascimento na zona do World Trade Center desde que as originais 'Twin Towers' foram destruídas no 11 de setembro de 2001", salientou um porta-voz.

Asenat, os pais e o irmão de dois anos foram transportados em seguida para um hospital de Manhattan.

Na rede social Twitter circularam mensagens de felicitação após o parto, entre as quais a do governador de Nova Iorque, Andrew Cuomo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.