Presidente da Libéria anuncia levantamento do estado de emergência por causa do ébola

A Presidente da Libéria, Ellen Johnson Sirleaf, anunciou hoje o levantamento do estado de emergência instaurado em agosto para lutar contra a epidemia do Ébola, advertindo, no entanto, que "o combate não terminou".

"Informei os dirigentes da Assembleia Nacional de que não pedirei um prolongamento do estado de emergência", decretado a 06 de agosto, informou Sirleaf numa declaração divulgada na rádio e televisão, adiantando que o recolher obrigatório funcionará entre a meia-noite e as 06:00.

Com mais de metade dos cerca de 5.100 mortos da epidemia, a Libéria é o país mais afetado, mas a propagação do vírus no país diminuiu significativamente no último mês.

O fim do estado de emergência "não significa que o combate contra o Ébola terminou", acautelou Sirleaf.

A chefe de Estado considerou que se registaram progressos, mas chamou a atenção: "Não podemos baixar a guarda, nem reduzir a nossa vigilância".

Sirleaf precisou que os mercados e as escolas reabrirão progressivamente.

Antes do anúncio da presidente, estava prevista uma reunião do parlamento para discutir um eventual prolongamento do estado de emergência, que tinha sido decretado por três meses.

Além da Libéria, os países mais afetados pelo Ébola são a Serra Leoa e a Guiné-Conacri.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.