População de elefantes em Moçambique diminui para metade em cinco anos

A contagem final mostra uma diminuição de 20 000 para 10 300 elefantes. O "decréscimo dramático fica a dever-se à caça furtiva desenfreada", revela a Wildlife Conservation Society.

O número de elefantes em Moçambique diminuiu para metade em cinco anos em Moçambique, passando de 20.000 para cerca de 10.000, devido às práticas de caçadores furtivos, revela a Wildlife Conservation Society (WCS).

"A contagem final mostra uma diminuição de 48% no número de elefantes nos últimos cinco anos, passando de 20.000 para 10.300 elefantes. Este decréscimo dramático fica a dever-se à caça furtiva desenfreada", indica um comunicado da organização não-governamental norte-americana WCS.

Em todo o continente africano é estimado em 30 mil o número de elefantes abatidos ilegalmente por ano para alimentar o comércio de marfim, principalmente para a China e outros países asiáticos.

Restam, por isso, 470 mil elefantes selvagens em África, de acordo com uma recente contagem efetuada pela organização EWB, que registou 550.000 animais em 2006.

Conduzida pela WCS a pedido do Governo de Maputo, a contagem de elefantes em Moçambique foi realizada por via aérea.

"A maior parte dos elefantes (95%) foram abatidos no norte de Moçambique, onde a população destes animais diminuiu de 15.400 para 6.100", indica a WCS no mesmo comunicado.

A Reserva do Niassa, na fronteira com a Tanzânia, registava até agora 70% dos elefantes de Moçambique, tendo sido particularmente atingida.

Esta situação pode ser explicada pelo aumento do número de caçadores da Tanzânia, visto que a população de elefantes naquele país foi dizimada a uma "escala industrial", segundo refere o diretor da WCS em Moçambique, cuja organização administra a Reserva do Niassa.

Sob pressão internacional, o país adotou em junho de 2014 uma nova lei que criminaliza a matança de animais protegidos, entre os quais elefantes.

Em 14 de maio, a polícia de Moçambique realizou a maior apreensão da história do país - quase 1,3 toneladas de marfim e chifre do rinoceronte, que corresponde à morte de mais de 200 animais.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.