População de elefantes em Moçambique diminui para metade em cinco anos

A contagem final mostra uma diminuição de 20 000 para 10 300 elefantes. O "decréscimo dramático fica a dever-se à caça furtiva desenfreada", revela a Wildlife Conservation Society.

O número de elefantes em Moçambique diminuiu para metade em cinco anos em Moçambique, passando de 20.000 para cerca de 10.000, devido às práticas de caçadores furtivos, revela a Wildlife Conservation Society (WCS).

"A contagem final mostra uma diminuição de 48% no número de elefantes nos últimos cinco anos, passando de 20.000 para 10.300 elefantes. Este decréscimo dramático fica a dever-se à caça furtiva desenfreada", indica um comunicado da organização não-governamental norte-americana WCS.

Em todo o continente africano é estimado em 30 mil o número de elefantes abatidos ilegalmente por ano para alimentar o comércio de marfim, principalmente para a China e outros países asiáticos.

Restam, por isso, 470 mil elefantes selvagens em África, de acordo com uma recente contagem efetuada pela organização EWB, que registou 550.000 animais em 2006.

Conduzida pela WCS a pedido do Governo de Maputo, a contagem de elefantes em Moçambique foi realizada por via aérea.

"A maior parte dos elefantes (95%) foram abatidos no norte de Moçambique, onde a população destes animais diminuiu de 15.400 para 6.100", indica a WCS no mesmo comunicado.

A Reserva do Niassa, na fronteira com a Tanzânia, registava até agora 70% dos elefantes de Moçambique, tendo sido particularmente atingida.

Esta situação pode ser explicada pelo aumento do número de caçadores da Tanzânia, visto que a população de elefantes naquele país foi dizimada a uma "escala industrial", segundo refere o diretor da WCS em Moçambique, cuja organização administra a Reserva do Niassa.

Sob pressão internacional, o país adotou em junho de 2014 uma nova lei que criminaliza a matança de animais protegidos, entre os quais elefantes.

Em 14 de maio, a polícia de Moçambique realizou a maior apreensão da história do país - quase 1,3 toneladas de marfim e chifre do rinoceronte, que corresponde à morte de mais de 200 animais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.