Polícia vietnamita apreende milhares de gatos importados ilegalmente da China

Apesar do consumo de carne de gato ser proibido no Vietname, dezenas de restaurantes oferecem este produto, que é considerado uma iguaria nacional.

Milhares de gatos vivos importados ilegalmente da China para consumo foram esta semana apreendidos pela polícia do Vietname, onde a carne destes animais é muito apreciada, divulgaram hoje as autoridades locais.

Apesar do consumo de carne de gato, animal conhecido localmente pelo nome de "pequeno tigre", ser oficialmente proibido no país, dezenas de restaurantes especializados na capital vietnamita, Hanói, oferecem este produto, que é considerado como uma iguaria nacional.

Os animais foram encontrados em caixas dentro de um camião. O condutor do camião, preso na terça-feira, confessou que tinha comprado os animais na província de Quang Ninh, na fronteira com a China. Os gatos estavam destinados "ao consumo" em restaurantes em Hanói, segundo explicou a polícia local. "Não sabemos ainda o que fazer, devido ao elevado número de animais", afirmou um elemento da polícia, referindo que a lei vietnamita exige a destruição de todos os produtos de contrabando.

Na cidade de Hanói é muito raro ver gatos nas ruas, uma vez que os donos dos animais temem que estes sejam roubados e vendidos a restaurantes. A falta de gatos no país, mas também de cães (a carne também é muito apreciada no Vietname), tem originado o tráfico ilegal de animais provenientes de territórios vizinhos como a China, Tailândia e Laos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.