Plano de contingência para retirar portugueses do Egito

O secretário de Estado das Comunidades afirmou hoje que Portugal tem um plano de contingência para a eventual necessidade de retirar cidadãos nacionais do Egito, mas disse acreditar que a situação deste país tem tendência a "estabilizar".

"Nós temos planos de contingência para todos os países. Nalguns casos, Portugal é o país que centraliza esses processos de retirada de cidadãos estrangeiros, noutros casos são outros países", afirmou à agência Lusa José Cesário.

O secretário de Estado adiantou, contudo, que "em qualquer caso, um processo desta natureza implica sempre diálogo entre Portugal e os restantes países parceiros no âmbito da União Europeia".

"Nós acreditamos que a situação do país tenderá, naturalmente, calmamente, a estabilizar, mas, evidentemente, qualquer situação especial terá de ser analisada posteriormente", declarou.

José Cesário salientou que o Governo "já há bastante tempo" recomenda que "as deslocações para o Egito fossem feitas apenas em circunstâncias absolutamente inadiáveis".

"[Os cidadãos nacionais] deverão deslocar-se àquele país apenas em circunstâncias que sejam consideradas inadiáveis, é a nossa recomendação relativamente ao Egito", insistiu o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, acrescentando que o executivo está a "acompanhar a situação política" com o desejo de que "estabilize o mais rápido possível".

Quanto aos portugueses que residem no Egito, José Cesário disse esperar que "se mantenham todos em contacto com a embaixada e a embaixada, naturalmente, procurará mantê-los informados acerca da evolução da situação".

Questionado sobre o eventual aumento da espiral de violência no país, o responsável respondeu: "Qualquer situação de violência onde quer que ela se passe, naturalmente tem que ser vista com toda a preocupação e, por isso, desejamos que a situação estabilize com a maior rapidez possível".

No Egito, segundo o embaixador de Portugal no país, António Tânger Correia, vivem "cerca de sessenta e tal" cidadãos nacionais.

Hoje, o embaixador disse à Lusa que a situação no Cairo "está calma" e reiterou que está em contacto com todos os portugueses que estão no país.

A onda de violência no Egito causou pelo menos 525 mortos na quarta-feira, informou hoje o Ministério da Saúde, e a situação já motivou um apelo do papa Francisco à "paz, ao diálogo e à reconciliação".

Os mais de 500 mortos incluem 202 manifestantes do campo de Rabaa al-Adawiya, no Cairo, e 43 agentes policiais por todo o país, disse fonte oficial do ministério.

A violência no Egito foi desencadeada quando, na quarta-feira, as forças de segurança invadiram acampamentos de protesto pró-Morsi, o presidente destituído e detido pelo exército a 03 de julho.

Segundo o Ministério da Saúde do Egito, o ataque fez pelo menos 525 mortos.

SR (IMA/ALU) // SMA

Lusa/Fim

Este texto da agência Lusa foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".