Petrolão atinge líderes do "legislativo" e preocupa Dilma

Os presidentes do Senado e da Câmara dos Deputados estão entre os 54 políticos citados no escândalo. Dilma teme clima de tensão.

Os poderosos presidentes das duas câmaras do Congresso do Brasil, o Senado e a Câmara dos Deputados, vão ser investigados pelo Supremo Tribunal a pedido do procurador-geral da República. Renan Calheiros e Eduardo Cunha são os dois primeiros nomes a serem conhecidos de uma lista de 54 políticos envolvidos no Petrolão, o nome pelo qual ficou conhecido o escândalo de corrupção na Petrobras, a maior empresa brasileira. A notícia, numa primeira análise, enfraquece os dois líderes do legislativo, envolvidos numa guerra aberta com o governo de Dilma Rousseff. Mas a presidente teme agora retaliações.

"Não fui avisado de nada por parte do Palácio do Planalto nem por outro canal oficial", disse Renan Calheiros à imprensa após o seu nome ter vindo a público nos três principais jornais do Brasil, Folha de São Paulo, O Estado de São Paulo e O Globo. "Que seja investigado tudo o que tenha de ser investigado mas espero que não sejam investigações de natureza política", reagiu por seu lado Eduardo Cunha.

Ambos os dirigentes são membros do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), em tese o principal aliado político do Partido dos Trabalhadores (PT) de Dilma mas na prática o seu maior opositor. Cunha, recém-eleito contra vontade da presidente, infligiu várias derrotas ao Planalto. Calheiros, cuja oposição tem sido mais subtil, surpreendeu ontem ao chumbar uma medida de ajuste orçamental essencial para o governo, no que foi entendido pela imprensa e pelo governo como primeira retaliação à sua inclusão na lista do procurador-geral Rodrigo Janot. Entende o PMDB que Janot foi influenciado pelo governo para compor a lista.

"Depois de um mês acumulando forças, os dois terão agora de salvar a própria pele no Supremo Tribunal mas o diagnóstico não deve ser confundido com alívio para Dilma Rousseff, como demonstrou a primeira reação de Renan", escreveu Bernardo Mello Franco, colunista da Folha de São Paulo. O Estado de São Paulo confirma, ao noticiar que Dilma confidenciou a aliados temer um clima de tensão agravada entre executivo e legislativo após a divulgação da lista.

"Vamos punir quem tiver de ser punido, independentemente do nome, mas isto ainda está tudo muito no princípio", esclareceu Janot.

LEIA MAIS NA EDIÇÃO IMPRESSA OU NO E-PAPER DO DN:

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.