Petição para acabar com tradição de comer gatos e cães na Suíça

Ativistas já recolheram mais de 14 mil assinaturas, entre elas a de Brigitte Bardot. Estima-se que 240 mil pessoas consumam este tipo de carne.

Se se estivesse a falar da China ou Vietname talvez não fosse tão estranho falar do consumo de carne de gato ou de cão, mas na Suíça, uma petição para acabar com esta tradição suscitou o interesse de vários meios de comunicação sociais internacionais.

Segundo a fundadora e presidente do grupo ativista SOS Chats Noiraigue, Tomi Tomek, cerca de 3% da população da suíça, ou seja, 240 mil pessoas, continuam a consumir carne dos dois animais mais conotados como de estimação do que para alimentação. A maioria são agricultores das zonas de Lucerna, Appenzell, Jura e Berna.

"Uma mulher deu-me uma receita para cozinhar um gato recém-nascido", contou Tomi Tomek, citada pela Newsweek. A ativista explicou que recorreu à polícia, veterinários e até ao governo, mas foi-lhe dito que não era ilegal. Não é permitido vender carne de gato e cão, mas não há lei contra os donos comerem os seus animais.

A carne de gato até faz parte de alguns menus tradicionais de Natal, segundo Tomek. "Eles comem gatos porque sabem como os coelhos", referiu. A forma de cozinhar e de servir também parece ter parecenças, pois inclui o vinho branco e alho. "Os agricultores comem os seus gatos e cães quando têm demasiados. Disse-lhes para esterilizarem os animais, mas eles responderam que é muito caro e que são uma boa refeição", frisou a ativista. A carne de cão é utilizada mais para salsichas e a gordura para ajudar a tratar o reumatismo.

O site do grupo ativista SOS Chats Noiraigue refere que já foram recolhidas 14 mil assinaturas, entre elas a da atriz e defensora dos direitos dos animais Brigitte Bardot. O objetivo é levar a discussão ao parlamento suíço, para que seja criada uma lei que proíba o consumo de carne destes animais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.