Pelo menos 17 mortos e perto de 100 desaparecidos em deslizamento de terras

Pelo menos 17 mortos e perto de 100 desaparecidos é o balanço, até ao momento, do deslizamento de terras provocado pelas chuvas torrenciais que fustigaram a ilha de Java, anunciaram hoje as autoridades.

A chuva persistente está a dificultar os trabalhos de resgate, depois de dezenas de casas terem ficado soterradas na noite de sexta-feira na localidade de Jemblung, no centro da ilha de Java, adiantaram as mesmas fontes.

Centenas de socorristas estão a tentar encontrar sobreviventes na lama que cobriu a maioria das casas em Jemblung.

"A equipa de socorristas já encontrou 17 corpos", disse o porta-voz da equipa de emergência Sutopo Purwo Nugroho à France Presse, adiantando que 11 outras pessoas estão gravemente feridas e 91 outras continuam desaparecidas.

A operação de salvamento mobilizou 200 socorristas e 500 voluntários.

Equipamento pesado de escavação foi levado para a área para ajudar no trabalho de resgate, numa altura em que as autoridades temem novos deslizamentos de terras com a intensificação da chuva para hoje à tarde.

Testemunhas disseram ter ouvido um enorme estrondo quando as terras deslizaram, soterrando as casas da pequena localidade.

"Corri com a minha filha para um terreno mais elevado e chorei porque ouvia pessoas, lá em baixo, pessoas a gritar por socorro", relatou Bini, cujo marido e um filho de 14 anos continuam desaparecidos.

A operação de resgate sofreu alguma lentidão porque o terreno continua instável e o sinal telefónico na área está com problemas, dificultando os trabalhos.

As autoridades temem que a chuva intensa leve à suspensão temporária da operação de resgate das vítimas.

"Rezamos para que sejam encontrados mais sobreviventes", disse o chefe da equipa de resgate, Agus Haryono.

Os deslizamentos de térreas e as cheias são comuns na Indonésia durante a época das chuvas. Estima-se que metade dos 250 milhões de indonésios vive em áreas que podem ser afetadas por deslizamentos de terras. O vasto arquipélago da indonésia é também uma zona frequentemente atingida por terramotos e erupções vulcânicas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.