Partido de Dilma e Lula abalado com a prisão do tesoureiro

Vaccari Neto preso por suspeita de lavagem de dinheiro quando saía ontem de casa, em São Paulo, para fazer jogging.

O tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT), da presidente Dilma Rousseff, foi ontem preso pela Polícia Federal do Brasil no âmbito da Operação Lava-Jato - que investiga o escândalo de desvio de dinheiro da estatal Petrobras para as contas de partidos políticos. João Vaccari Neto é acusado de ter usado uma empresa gráfica fictícia e a conta da sua mulher, ouvida ontem pela polícia, para lavar dinheiro. O episódio coloca o PT - e por consequência o governo de Dilma Rousseff - numa posição cada vez mais incómoda perante a opinião pública e debaixo de fogo cerrado da oposição e da imprensa.

O valor desviado para a Gráfica Atitude, uma empresa em nome de dois sindicatos ligados ao PT, o dos Metalúrgicos do ABC, onde Lula da Silva, antecessor de Dilma Rousseff, começou a carreira sindical, e o dos Bancários, ronda os 2,5 milhões de reais (perto de 800 mil euros).

Leia mais no epaper ou na edição impressa do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.