Parlamento britânico aprova venda de tabaco em embalagens monocromáticas e de cor escura

Os novos pacotes vão ser monocromáticos, com o nome da marca escrito de uma forma simples, e ao lado dos avisos para o perigo de fumar, segundo os planos britânicos

O parlamento britânico aprovou hoje uma proposta para obrigar as empresas de tabaco a venderem cigarros em embalagens simples, monocromáticas e de cor escura, apesar da oposição da indústria tabaqueira. A proposta foi aprovada na Câmara dos Comuns com 367 votos a favor e 113 contra. Caso seja aprovada pela Câmara dos Lordes, a proposta passará a ser lei.

"A votação de hoje é um passo importante no sentido em que o Reino Unido passará a ser o primeiro país da Europa a regulamentar embalagens padronizadas", afirmou a ministra da Saúde Pública Jane Ellison. Segundo a ministra, caso a proposta seja aprovada pela Câmara dos Lordes, a lei entrará em vigor em maio de 2016. "É mais um passo para a criação da primeira geração livre de fumo", acrescentou.

Os novos pacotes vão ser monocromáticos, com o nome da marca escrito de uma forma simples, e ao lado dos avisos para o perigo de fumar, segundo os planos britânicos. Estão a ser propostas cores escuras para as embalagens porque representam perigo.

As tabaqueiras e ativistas pró-tabaco insistem que a lei é um "excesso" do governo, com a Associação de Fabricantes de Tabaco a afirma que "faltam evidências de que aquela política vai funcionar". "Os fumadores sabem que há riscos associados ao consumo do tabaco. Uma embalagem simples não fará a diferença", afirmou Simon Clark do grupo de fumadores Forest. "O que vão fazer a seguir? Estandardizar as embalagens de álcool e de bebidas com açúcar'", questionou Simon Clark.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.