Os chineses estão a ficar mais altos e mais obesos

Há mais dois terços da população chinesa a apresentar índices de obesidade.

O povo chinês está a ficar mais alto à medida que o país tem vindo a enriquecer, mas o índice de obesidade que apresenta revela um crescimento ainda mais rápido, refere a imprensa estatal local.

A proporção de chineses com mais de 18 anos que em 2012 apresentava excesso de peso era 30,1 por cento, significando um aumento de 7,3 pontos percentuais atingido numa década, disse na terça-feira o vice-diretor da Comissão Nacional para a Saúde e Planeamento Familiar, Wang Guoqiang, numa conferência de imprensa.

O rácio de obesidade aumentou 4,8 pontos percentuais, representando um crescimento de 11,9 por cento, o que significa que há mais dois terços da população chinesa a apresentar índices de obesidade, acrescentou.

O peso médio dos chineses homens situava-se, em 2012, nos 66,2 quilos, e o das mulheres em 57,3 quilos, esclareceu Wang Guoqiang, com base num relatório governamental sobre nutrição nacional e doenças crónicas.

Este resultado significa que, no espaço de dez anos, os homens aumentaram cerca de 3,5 quilogramas, e as mulheres 2,9 quilogramas, refere hoje o jornal China Daily citando os números anteriormente mencionados.

"Tabagismo, excesso de álcool, pouco exercício físico e uma dieta nada saudável, como consumo abusivo de sal e de gorduras [polinsaturadas] são os principais comportamentos de risco", apontou Wang Guoqiang na conferência de imprensa, sublinhando serem estas as razões que estão a "provocar ou agravar as doenças crónicas".

No entanto, acrescem a este problema "as pressões resultantes de um rápido desenvolvimento e transformação da economia e da sociedade na vida das pessoas, mudanças a nível pessoal e profissional que também causam impactos na saúde", indicou.

A média de altura dos chineses homens há dez anos era de 1,67 metros e aumentou 04 milímetros, enquanto as mulheres, cuja média era 1,56 metros, cresceram 07 milímetros.

Num relatório publicado em 2014 na revista médica britânica 'The Lancet' mostra-se que anualmente morrem 363.000 pessoas na China por causas decorrentes da obesidade, como diabetes e ataques cardíacos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.