Os chineses estão a ficar mais altos e mais obesos

Há mais dois terços da população chinesa a apresentar índices de obesidade.

O povo chinês está a ficar mais alto à medida que o país tem vindo a enriquecer, mas o índice de obesidade que apresenta revela um crescimento ainda mais rápido, refere a imprensa estatal local.

A proporção de chineses com mais de 18 anos que em 2012 apresentava excesso de peso era 30,1 por cento, significando um aumento de 7,3 pontos percentuais atingido numa década, disse na terça-feira o vice-diretor da Comissão Nacional para a Saúde e Planeamento Familiar, Wang Guoqiang, numa conferência de imprensa.

O rácio de obesidade aumentou 4,8 pontos percentuais, representando um crescimento de 11,9 por cento, o que significa que há mais dois terços da população chinesa a apresentar índices de obesidade, acrescentou.

O peso médio dos chineses homens situava-se, em 2012, nos 66,2 quilos, e o das mulheres em 57,3 quilos, esclareceu Wang Guoqiang, com base num relatório governamental sobre nutrição nacional e doenças crónicas.

Este resultado significa que, no espaço de dez anos, os homens aumentaram cerca de 3,5 quilogramas, e as mulheres 2,9 quilogramas, refere hoje o jornal China Daily citando os números anteriormente mencionados.

"Tabagismo, excesso de álcool, pouco exercício físico e uma dieta nada saudável, como consumo abusivo de sal e de gorduras [polinsaturadas] são os principais comportamentos de risco", apontou Wang Guoqiang na conferência de imprensa, sublinhando serem estas as razões que estão a "provocar ou agravar as doenças crónicas".

No entanto, acrescem a este problema "as pressões resultantes de um rápido desenvolvimento e transformação da economia e da sociedade na vida das pessoas, mudanças a nível pessoal e profissional que também causam impactos na saúde", indicou.

A média de altura dos chineses homens há dez anos era de 1,67 metros e aumentou 04 milímetros, enquanto as mulheres, cuja média era 1,56 metros, cresceram 07 milímetros.

Num relatório publicado em 2014 na revista médica britânica 'The Lancet' mostra-se que anualmente morrem 363.000 pessoas na China por causas decorrentes da obesidade, como diabetes e ataques cardíacos.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.