Os 89 deputados da Renamo vão assumir os seus lugares

Líder do partido da oposição que tem boicotado o novo Parlamento voltou a Maputo e encontrou-se com chefe do Estado

O presidente moçambicano surpreendeu a opinião pública ao encontrar-se em Maputo com o líder da Renamo. Sem direito a grande protocolo, a conversa de cerca de três horas entre Filipe Nyusi e Afonso Dhlakama decorreu num hotel onde o líder da oposição moçambicana está hospedado e, por exigência deste, sem secretariado e presença de equipas das duas partes. À saída do encontro o chefe do Estado, da Frelimo, não prestou grandes declarações. O líder da Renamo foi quem mais falou e indicou que os 89 deputados do seu partido e as quase três centenas de membros das assembleias provinciais podem assumir os seus lugares esta semana.

Dhlakama regressou a Maputo na noite de sexta-feira, vindo do Norte de Moçambique, por onde andou em périplo. Tem estado a prometer às populações, em comícios muito participados e num tom muito duro, estabelecer, em breve, regiões autónomas, nomeadamente no centro e Norte do país, a serem governadas por si. O argumento é o de que foi ele o vencedor das eleições naquelas zonas.

Leia mais no epaper ou na edição impressa do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.