Organização Mundial de Saúde declara fim da epidemia do ébola na Libéria

Num ano, o país contabilizou mais de 4.700 mortos em 10.500 casos. Passaram 42 dias sem nenhum novo caso.

A epidemia do Ébola foi erradicada da Libéria, depois de 42 dias sem registo de novos casos, anunciou hoje Alex Gasasira um responsável da Organização Mundial de Saúde (OMS), em Monrovia.

Numa cerimónia oficial com a presença da Presidente do país, Ellen Johnson Sirleaf, o responsável anunciou que "hoje, 09 maio de 2015, a OMS declara a Libéria livre da transmissão do vírus do Ébola".

"42 dias passaram desde que o último caso foi confirmado em laboratório. A epidemia na Libéria acabou", afirmou o responsável, notando ser esta uma "conquista monumental" para o país.

A contabilidade foi feita com base no duplo período de incubação máxima do vírus, 21 dias, depois da última morte, sem que tenham surgido novos casos.

Num ano, a Libéria contabilizou mais de 4.700 mortos em 10.500 casos, tendo o pico da epidemia sido entre agosto e setembro de 2014, com o registo de "300 a 400 novos casos semanais".

Alex Gasasira elogiou a determinação do governo e a população do país em combater a epidemia, que foi a pior desde a deteção do vírus em 1976.

A Presidente agradeceu à população os seus esforços e lembrou os profissionais que lutaram contra a doença e morreram (189).

Apesar do anúncio, a Libéria terá de manter a vigilância, uma vez que os países vizinhos Serra Leoa e Guiné Conacri ainda enfrentam a epidemia.

No total, o vírus matou mais de 11 mil pessoas, em 26.500 casos identificados, sobretudo na Libéria, Serra Leoa e Guiné Conacri.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...