Número de mortos em naufrágio de ferry sobe para 240

Pelo menos 240 pessoas morreram na sequência do naufrágio de um ferry "sobrelotado" que ligava as duas principais ilhas de Zanzibar, um arquipélago no oceano Índico dependente da Tanzânia, informaram esta noite fontes oficiais.

De acordo com as autoridades, 192 corpos foram reclamados pelos familiares das vítimas, faltando identificar outros 28 corpos.

Até ao momento, foram resgatadas cerca de 600 pessoas, estando as autoridades em busca do capitão do ferry que continua desaparecido, sem que o Governo saiba em concreto quem é o proprietário do barco que se afundou no sábado.

Segundo as autoridades de Zanzibar a embarcação, com capacidade para 600 passageiros, transportava um número indeterminado de passageiros entre as ilhas de Unguja e de Pemba, as principais do arquipélago.

O ferry MV Spice Island afundou-se numa zona de grande profundidade e fortes correntes quando assegurava uma ligação entre a ilha principal de Zanzibar, Unguja, e a de Pemba, duas das três ilhas que compõem o arquipélago de Zanzibar, uma entidade semi-autónoma da republica da Tanzânia, ao largo do oceano Índico.

Zanzibar, cuja capital é património da UNESCO, vive essencialmente das receitas do turismo.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.