Número de mortos em naufrágio de ferry sobe para 240

Pelo menos 240 pessoas morreram na sequência do naufrágio de um ferry "sobrelotado" que ligava as duas principais ilhas de Zanzibar, um arquipélago no oceano Índico dependente da Tanzânia, informaram esta noite fontes oficiais.

De acordo com as autoridades, 192 corpos foram reclamados pelos familiares das vítimas, faltando identificar outros 28 corpos.

Até ao momento, foram resgatadas cerca de 600 pessoas, estando as autoridades em busca do capitão do ferry que continua desaparecido, sem que o Governo saiba em concreto quem é o proprietário do barco que se afundou no sábado.

Segundo as autoridades de Zanzibar a embarcação, com capacidade para 600 passageiros, transportava um número indeterminado de passageiros entre as ilhas de Unguja e de Pemba, as principais do arquipélago.

O ferry MV Spice Island afundou-se numa zona de grande profundidade e fortes correntes quando assegurava uma ligação entre a ilha principal de Zanzibar, Unguja, e a de Pemba, duas das três ilhas que compõem o arquipélago de Zanzibar, uma entidade semi-autónoma da republica da Tanzânia, ao largo do oceano Índico.

Zanzibar, cuja capital é património da UNESCO, vive essencialmente das receitas do turismo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.