Novas buscas no gabinete de Rodrigo Rato

Ex-diretor-geral do FMI e antigo governante do PP está ser investigado por alegada fraude.

O gabinete de Rodrigo Rato, ex-diretor-geral do FMI e antigo governante do PP, em Madrid foi novamente alvo de buscas efetuadas pelas autoridades fiscais espanholas.

Rodrigo Rato, 66 anos, está ser investigado por alegada fraude cometida durante o período em que exerceu o cargo de presidente do banco espanhol Bankia, instituição resgatada pelo Estado espanhol.

O antigo ministro do governo de José Maria Aznar (PP) disse ao jornal El Pais que está a "colaborar ativamente" com os investigadores.

O Ministério Público espanhol acusou Rodrigo Rato de crimes de fraude, branqueamento de capitais e ocultação de bens.

As autoridades espanholas realizaram a primeira busca na quinta-feira ao escritório do antigo vice-primeiro-ministro espanhol, que, ao fim de três horas, foi escoltado pela polícia tendo sido libertado depois de ter prestado depoimento no Ministério Público.

Exclusivos