Morsi condenado à pena de morte, Mubarak pronto para ser libertado

Primeiro presidente egípcio eleito democraticamente condenado à pena capital quatro anos após a Primavera Árabe. Irmandade Muçulmana e ONG denunciam sentença.

Quatro anos depois da chamada Primavera Árabe, o primeiro presidente civil democraticamente eleito no Egito, Mohamed Morsi, foi ontem condenado à pena de morte por um tribunal do país. Morsi pode recorrer e a pena capital está ainda sujeita a um parecer final de mufti Shawqi Allam, embora este não seja vinculativo. A decisão definitiva é esperada a 2 de junho. Organizações de direitos humanos como a Amnistia Internacional, a Irmandade Muçulmana e o presidente turco já contestaram a sentença do tribunal. E diplomatas ocidentais referidos pela Reuters consideraram que executar Morsi será um suicídio político para as atuais autoridades egípcias, lideradas pelo general Al-Sisi, presidente do país e líder do golpe de Estado que em 2013 derrubou Morsi.

"Este é um veredicto político, representa um crime de homicídio que está prestes a ser cometido e que deve ser travado pela comunidade internacional", disse à Reuters, em Istambul, Amr Sarrag, cofundador do dissolvido Partido da Liberdade e Justiça - ala política da Irmandade Muçulmana. Este grupo islâmico foi legalizado por Morsi depois de ter sido excluído durante décadas por Hosni Mubarak - cujo regime foi derrubado pela chamada Primavera Árabe. Após o golpe do general Al-Sisi, a Irmandade Muçulmana foi classificada como grupo terrorista, a maioria dos seus líderes presa e muitos dos seus apoiantes mortos.

Num comício realizado também em Istambul o presidente da Turquia, Recep Erdogan, acusou o Ocidente de "fechar os olhos" ao golpe de Estado de 2013 que afastou Morsi do poder e afirmou: "O presidente eleito pelo povo do Egito foi infelizmente condenado à morte. O Egito volta ao Egito antigo".

LEIA MAIS NA EDIÇÃO IMPRESSA OU NO E-PAPER DO DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.