Morrem 5 crianças por minuto devido a má nutrição crónica

Em cada minuto que passa, morrem cinco crianças no mundo devido a má nutrição crónica, indica um relatório agora divulgado pela organização "Salvem as Crianças", noticia a AP.

No documento, alerta-se ainda que cerca de 500 milhões de crianças correm riscos de sequelas permanentes nos corpos e cérebros nos próximos 15 anos.

No seu texto, a organização afirma que a morte de dois milhões de crianças em cada ano poderiam ser prevenidas se a má nutrição fosse melhor resolvida.

A dimensão do fenómeno leva a "Salvem as Crianças" a argumentar que a má nutrição crónica é uma crise escondida que afeta uma em cada quatro crianças no mundo.

A fome tem caído, em termos gerais, nas últimas duas décadas, de forma acentuada, mas o "2011 Global Hunger Índex" identifica seis países com situações piores do que há vinte anos. Cinco estão em África e o outro é a Coreia do Norte.

O índice revela que o Congo, o Burundi, as Comores, a Suazilândia e a Costa do Marfim têm hoje maiores níveis de fome do que em 1990. Ao contrário, o Koweit, a Turquia, a Malásia e o México foram os que conseguiram maiores ganhos contra a fome.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.