Milla tem 9 anos e pede que a aceitem como é: um rapaz

Desde os dois anos que se sente um rapaz. Pais lançaram vídeo de apoio no Facebook que já foi visto mais de cinco milhões de vezes. Veja o vídeo.

"Olá o meu nome é Milla. Não é fácil ser eu. Tenho disforia de género. Sinto que estou no corpo errado. Estou a passar um momento difícil na escola. Os miúdos chamam-me shim (termo pejorativo para transexual), rapariga gay e esquisita. As pessoas simplesmente não me entendem. Ninguém quer ser meu amigo. Só quero que as pessoas me aceitem por aquilo que sou. Tenho sorte de ter uma família que me apoia a 100%. Decidi que quero dar o próximo passo. A partir de hoje quero viver e ser conhecido como um rapaz. Espero ter o vosso apoio". A mensagem de Milla, a menina transexual australiana de nove anos, faz parte de vídeo de apoio que a mãe, Renée Fabish divulgou no Facebook e já foi visto mais 5,3 milhões de vezes.

O caso de Milla, que a mãe diz estar "muito feliz" desde que passou a ser tratada como um rapaz, volta a lançar a discussão sobre a idade com que devem começar a ser tratados os casos de disforia de género. Em Portugal, a mudança de sexo só pode começar depois da maioridade e após um longo acompanhamento psicológico.

"Tem de haver um diagnóstico que é confirmado por duas equipas independentes e depois é que se pode começar o tratamento hormonal e mais tarde o cirúrgico", explica Décio Ferreira, o cirurgião plástico que durante décadas liderou as operações de mudança de sexo Serviço Nacional de Saúde em Portugal. O médico vê no caso de Milla a história que muitas das pessoas que operou contaram.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.