Milla tem 9 anos e pede que a aceitem como é: um rapaz

Desde os dois anos que se sente um rapaz. Pais lançaram vídeo de apoio no Facebook que já foi visto mais de cinco milhões de vezes. Veja o vídeo.

"Olá o meu nome é Milla. Não é fácil ser eu. Tenho disforia de género. Sinto que estou no corpo errado. Estou a passar um momento difícil na escola. Os miúdos chamam-me shim (termo pejorativo para transexual), rapariga gay e esquisita. As pessoas simplesmente não me entendem. Ninguém quer ser meu amigo. Só quero que as pessoas me aceitem por aquilo que sou. Tenho sorte de ter uma família que me apoia a 100%. Decidi que quero dar o próximo passo. A partir de hoje quero viver e ser conhecido como um rapaz. Espero ter o vosso apoio". A mensagem de Milla, a menina transexual australiana de nove anos, faz parte de vídeo de apoio que a mãe, Renée Fabish divulgou no Facebook e já foi visto mais 5,3 milhões de vezes.

O caso de Milla, que a mãe diz estar "muito feliz" desde que passou a ser tratada como um rapaz, volta a lançar a discussão sobre a idade com que devem começar a ser tratados os casos de disforia de género. Em Portugal, a mudança de sexo só pode começar depois da maioridade e após um longo acompanhamento psicológico.

"Tem de haver um diagnóstico que é confirmado por duas equipas independentes e depois é que se pode começar o tratamento hormonal e mais tarde o cirúrgico", explica Décio Ferreira, o cirurgião plástico que durante décadas liderou as operações de mudança de sexo Serviço Nacional de Saúde em Portugal. O médico vê no caso de Milla a história que muitas das pessoas que operou contaram.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.