Milionário grego detido por fuga ao fisco só foi libertado após pagar 1,8 milhões

Leonidas Bobolas preside à maior construtora do país e esteve detido durante umas horas, experiência que caracterizou de "aborrecida". Evasão fiscal na Grécia está avaliada em 76 mil milhões de euros, cerca de 42% do PIB

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, e outros membros do seu governo têm repetido vezes sem conta que pretendem combater a oligarquia, a evasão fiscal e a corrupção, identificadas como três dos grandes problemas do país. Até criaram um ministério vocacionado para a luta contra a corrupção...

O combate conheceu um novo capítulo no dia 22 de abril, quando Leonidas Bobolas, presidente da Ellaktor, a maior construtora grega, foi detido por suspeita de evasão fiscal e lavagem de dinheiro. Foi libertado horas mais tarde depois de pagar 1,8 milhões de euros de impostos em atraso, para evitar a forma-lização das acusações. Segundo os media gregos, o empresário deve cerca de 4 milhões de euros ao fisco.

Um dia depois, o milionário, de 53 anos, disse à Reuters estar "aborrecido" com a forma como as autoridades o detiveram de forma a fazê-lo pagar os impostos que tinha em atraso, no âmbito de uma campanha que Atenas está a levar a cabo para combater a evasão fiscal.

"O episódio da detenção foi muito aborrecido, porque sou um empresário com negócios no estrangeiro e acredito que também represento o meu país", disse. Leonidas Bobolas faz parte de uma das famílias mais ricas e poderosas da Grécia, encabeçada pelo pai, George. Além da Ellaktor, são acionistas maioritários da MEGA, a maior televisão grega, bem como do popular diário Ethnos e outros negócios ligados aos media, incluindo a edição grega da Elle. Uma fortuna avaliada em cerca de 2 mil milhões de euros.

LEIA MAIS NA EDIÇÃO IMPRESSA OU NO E-PAPER DO DN:

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.