Milionário grego detido por fuga ao fisco só foi libertado após pagar 1,8 milhões

Leonidas Bobolas preside à maior construtora do país e esteve detido durante umas horas, experiência que caracterizou de "aborrecida". Evasão fiscal na Grécia está avaliada em 76 mil milhões de euros, cerca de 42% do PIB

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, e outros membros do seu governo têm repetido vezes sem conta que pretendem combater a oligarquia, a evasão fiscal e a corrupção, identificadas como três dos grandes problemas do país. Até criaram um ministério vocacionado para a luta contra a corrupção...

O combate conheceu um novo capítulo no dia 22 de abril, quando Leonidas Bobolas, presidente da Ellaktor, a maior construtora grega, foi detido por suspeita de evasão fiscal e lavagem de dinheiro. Foi libertado horas mais tarde depois de pagar 1,8 milhões de euros de impostos em atraso, para evitar a forma-lização das acusações. Segundo os media gregos, o empresário deve cerca de 4 milhões de euros ao fisco.

Um dia depois, o milionário, de 53 anos, disse à Reuters estar "aborrecido" com a forma como as autoridades o detiveram de forma a fazê-lo pagar os impostos que tinha em atraso, no âmbito de uma campanha que Atenas está a levar a cabo para combater a evasão fiscal.

"O episódio da detenção foi muito aborrecido, porque sou um empresário com negócios no estrangeiro e acredito que também represento o meu país", disse. Leonidas Bobolas faz parte de uma das famílias mais ricas e poderosas da Grécia, encabeçada pelo pai, George. Além da Ellaktor, são acionistas maioritários da MEGA, a maior televisão grega, bem como do popular diário Ethnos e outros negócios ligados aos media, incluindo a edição grega da Elle. Uma fortuna avaliada em cerca de 2 mil milhões de euros.

LEIA MAIS NA EDIÇÃO IMPRESSA OU NO E-PAPER DO DN:

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.