Memorial ao fundador da Apple desmantelado devido a homossexualidade do sucessor

Um dia depois de Tim Cook ter confessado o seu orgulho em ser gay, um monumento de homenagem a Steve Jobs foi retirado do exterior de uma escola de São Petersburgo.

O monumento, com dois metros de altura e a forma de um iPhone, que fora erigido em São Petersburgo, em 2013, foi agora desmantelado. De acordo com a ZEFS, um grupo de empresas russas que o mandou edificar e que agora o mandou retirar, o memorial era um veículo de "propaganda gay".

"Na Rússia, a propaganda gay e outras perversões sexuais entre menores são proibidas por lei", afirmou a ZEFS, lembrando que o memorial estava acessível a jovens estudantes.

"Depois de o CEO da Apple Tim Cook ter apelado publicamente à sodomia o monumento foi retirado para cumprir a lei federal russa e proteger as crianças de informação que promove a negação de valores familiares tradicionais", acrescenta este grupo de empresas.

O desmantelamento do memorial aconteceu na sexta-feira, um dia depois de Tim Cook ter manifestado o seu orgulho em ser gay, numa declaração publicada na página da Business Week.

"Embora nunca tenha negado a minha orientação sexual, nunca a reconheci publicamente, até agora. Portanto deixem-me ser claro: tenho orgulho em ser gay, e considero que ser gay é uma das maior dádivas que Deus me deu", escreveu Cook, que sucedeu a Steve Jobs, que não era gay, quando este morreu vítima de cancro em 2011.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.