Malásia confirma que os destroços encontrados no Índico são de um Boeing 777

Vice-ministro dos Transportes da Malásia revelou que o número na asa recuperada permite identificá-la como parte de uma aeronave da Boeing. Mistério do MH370 está mais perto de ser desvendado.

Os destroços recuperados na Ilha da Reunião, no Oceano Índico, pertencem a uma aeronave da Boeing. O número inscrito na peça encontrada permite confirmar que se trata de uma parte da asa de um Boeing 777, anunciou um responsável do governo da Malásia, citado pela AFP.

"Pelo número, está confirmado que se trata de um Boeing 777. Esta informação foi avançada pela Malaysia Airlines, que ma comunicou", disse à agência o vice-ministro dos Transportes malaio, Abdul Aziz Kaprawi.

A peça foi encontrada na Ilha da Reunião e, de acordo com os relatos, tem inscrito o número 657 BB. Tratar-se-á de um código relativo à manutenção da aeronave. Esta informação permite assim avançar, com elevado grau de certeza, que os destroços encontrados são os do voo MH370, que desapareceu dos radares a 8 de março de 2014, quando sobrevoava o Mar do Sul da China depois de partir de Kuala Lumpur com destino a Pequim: nenhuma outra aeronave da Boeing está em paradeiro desconhecido no hemisfério sul.

A parte da asa agora recuperada tem cerca de dois metros de largura por 2,5m de comprimento e foi enviada para Toulouse, em França, para ser analiada pelo Bureau d'Enquêtes et d'Analyses, o gabinete francês responsável pela investigação de acidentes de aviação. A peça foi recuperada em território francês, estando por isso a França a liderar esta fase da investigação. A operação de buscas, no entanto, é liderada pela Austrália, devido à proximidade do perímetro de pesquisa definido. A Ilha da Reunião fica a cerca de quatro mil quilómetros da área onde se pensa que o Boeing 777 da Malaysia Airlines se terá despenhado, com 239 pessoas a bordo.

Martin Dolan, líder das equipas de busca australianas que está à frente da Agência de Segurança para os Transportes da Austrália, confirmou à BBC esta sexta-feira que estava cada vez mais confiante de que a peça encontrada se tratava, efetivamente, de uma parte de um Boeing 777. Até porque não existe registo, em todo o mundo, de um Boeing ter perdido especificamente esse pedaço da asa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.