Mais duas sondagens dão Aécio à frente de Dilma

As sondagens dos institutos Ibope e Datafolha mostram que o candidato do PSDB tem 45% das intenções de voto, contra 43% da presidente brasileira, sendo a margem de erro de dois pontos percentuais. Estão por isso em empate técnico.

Excluindo os votos brancos, nulos e os eleitores que não quiseram responder às sondagens, Aécio Neves surge com 51% contra 49% de Dilma Rousseff. Exatamente os mesmos valores observados nas pesquisas dos mesmos institutos há uma semana.

As sondagens surgem contudo já depois de ter começado o tempo de antena e de ter havido novas revelações no caso "petrolão". O dinheiro desviado da petrolífera Petrobras terá sido usado, de acordo com um antigo diretor da estatal que foi preso e fez um acordo com a justiça, nas campanhas do Partido dos Trabalhadores e dos aliados em 2010.

Dilma tem respondido às acusações dizendo que, no seu governo, há liberdade para investigar. E apontado o dedo ao adversário, citando casos como o "mensalão mineiro", que terá financiado as campanhas tucanas em Minas Gerais e outros escândalos do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), que terão ficado sem condenação.

O facto de Dilma ter mantido a diferença para Aécio perante as acusações poderá ser considerado uma vitória para a candidata do Partido dos Trabalhadores, que na primeira volta conseguiu 41,59% dos votos contra 33,55% de Aécio.

O Instituto Ibope ouviu 3010 eleitores em 204 municípios entre os dias 12 e 14 de outubro. Nesta pesquisa, há 45% de eleitores que dizem votar em Aécio e 43% que votam Dilma. Ambos perdem um ponto percentual em relação à sondagem de há uma semana. 7% dos eleitores votam branco ou nulo e 5% dizem não saber ou não quiseram responder (em ambos os casos, mais um ponto percentual que na semana passada).

Já no caso da sondagem Datafolha, em que foram ouvidos 9081 eleitores em 366 municípios, nos dias 14 e 15 de outubro, 45% dizem votar Aécio e 43% em Dilma (há uma semana tinham sido 46% e 44%, respetivamente). Neste caso subiram os eleitores que dizem não saber em quem votar - de 4% para 6%. Os que votam em branco ou nulo mantêm-se nos 6%.

O problema nesta sondagem, para Aécio, é que a rejeição à sua candidatura (o número de pessoas que dizem que não votariam de jeito nenhum no tucano) subiu quatro pontos percentuais, de 34% para 38%. A rejeição de Dilma baixou de 43% para 42%.

Exclusivos